Acompanhe:

Companhia portuguesa realiza primeiro voo sem plásticos descartáveis

Voo de Lisboa a Natal oferecia apenas materiais biodegradáveis aos passageiros

Modo escuro

Continua após a publicidade
. (Hi Fly/Divulgação)

. (Hi Fly/Divulgação)

A
Ariane Alves

Publicado em 2 de janeiro de 2019 às, 16h59.

São Paulo - No dia 26 de dezembro, a companhia portuguesa Hi Fly realizou o primeiro voo comercial sem oferecer nenhum material de plástico aos passageiros. A medida integra os esforços que empresas e governos realizam para combater o “single-use” (uso único, em português), termo criado para definir os produtos e embalagens descartáveis, geralmente de plástico, que contribuem para a poluição do meio ambiente.

O termo é visto com tanta relevância ultimamente que foi eleito a “palavra do ano” de 2018 pelo Dicionário Collins. O voo organizado pela Hi Fly partiu de Lisboa e chegou ao Aeroporto Internacional Augusto Severo, em Natal. Sem talheres, copos ou recipientes de plástico, a viagem contava com substitutos biodegradáveis para uso dos passageiros em suas refeições.

A companhia pretende banir os plásticos completamente até o fim de 2019. Em seu lugar, usarão talheres de bambu e recipientes compostáveis para os alimentos, além de outros materiais. Mais três testes no mesmo modelo do voo para Natal já estão planejados, de acordo com o site FastCompany.

"Não podemos mais ignorar o impacto que a contaminação do plástico tem sobre os ecossistemas, bem como sobre a saúde humana", disse o presidente da Hi Fly, Paulo Mirpuri, à rede de televisão canadense CTV. “Também sabemos, pelo feedback que recebemos de clientes e companhias aéreas, que é a coisa certa para a se fazer.”

Além da Hi Fly, a Air New Zealand, na Nova Zelândia, também anunciou que estuda medidas para reduzir o uso de plástico, e deverá trocar copos, xícaras, pratos e sacolas neste ano. Nos Estados Unidos, companhias como Alaska Airlines e Delta já adotaram algumas medidas, como a substituição dos canudos de plástico e de outros itens descartáveis.

Últimas Notícias

Ver mais
Ao custo global de R$ 3,1 tri, manejo de resíduos pode virar negócio, como o biometano brasileiro
ESG

Ao custo global de R$ 3,1 tri, manejo de resíduos pode virar negócio, como o biometano brasileiro

Há 2 dias

Paul Polman: liderança ambiental é oportunidade histórica e gera desbloqueio econômico para o Brasil
ESG

Paul Polman: liderança ambiental é oportunidade histórica e gera desbloqueio econômico para o Brasil

Há 2 dias

Senado vota hoje projeto que proíbe cobrança para marcação de assento em avião
Brasil

Senado vota hoje projeto que proíbe cobrança para marcação de assento em avião

Há 3 dias

Projeto libera rotas domésticas para empresas estrangeiras
Um conteúdo Esfera

Projeto libera rotas domésticas para empresas estrangeiras

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais