Ciência

Comissão Europeia aprova uma vacina contra o vírus que provoca a bronquiolite

Todos os anos, o vírus sincicial provoca na Europa mais de 270.000 hospitalizações e quase 20.000 mortes

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 7 de junho de 2023 às 07h23.

A Comissão Europeia autorizou a venda da vacina Arexvy contra o vírus sincicial respiratório (VSR), que pode provocar a bronquiolite e mata milhares de pessoas por ano, anunciou o grupo farmacêutico britânico GSK nesta quarta-feira (7).

A autorização engloba as pessoas com mais de 60 anos, afirma o comunicado da GSK. A vacina já havia recebido uma primeira autorização de comercialização em 3 de maio nos Estados Unidos.

A Agência Europeia de Medicamento (EMA) afirmou no mês passado que era favorável à autorização, mas a decisão final da Comissão ainda não havia sido revelada.

O grupo GSK anunciou a autorização para a comercialização da vacina contra o vírus sincicial respiratório (VSR)

O grupo GSK anunciou a autorização para a comercialização da vacina contra o vírus sincicial respiratório (VSR) (AFP/Getty Images)

"Esta é a primeira vez que uma vacina contra o VSR recebe autorização de comercialização na Europa", afirmou o laboratório GSK.

O início da vacinação está previsto para o outono (hemisfério norte, primavera no Brasil).

Vírus sincicial

Todos os anos, o vírus provoca na Europa "mais de 270.000 hospitalizações e quase 20.000 mortes durante a internação de idosos", informou o grupo farmacêutico.

O VSR é um vírus muito contagioso, que geralmente provoca sintomas leves, parecidos com um resfriado.

Mas pode ser grave para crianças e idosos, assim como para pessoas com comorbidades ou sistemas imunológicos frágeis.

Nos casos mais graves, o vírus pode provocar pneumonia ou bronquiolite.

Acompanhe tudo sobre:VacinasUnião Europeia

Mais de Ciência

Colisão de asteroides é flagrada pelo telescópio James Webb

Componente de protetores solarares encontrado em alimentos gera preocupação nos EUA

Nova promessa de tratamento para Alzheimer avança nos EUA. Como o medicamento funciona?

Por que uma dieta baseada em vegetais nem sempre é saudável?

Mais na Exame