Acompanhe:

Cientistas chineses garantem ter criado bebês manipulados geneticamente

Os cientistas explicam que a modificação genética tem como objetivo dar uma "habilidade natural" para resistir a uma possível infecção de HIV

Modo escuro

Continua após a publicidade
China: os pesquisadores utilizaram a técnica em gêmeas para serem resistentes a doenças como HIV, cólera e varíola (VCG/VCG/Getty Images)

China: os pesquisadores utilizaram a técnica em gêmeas para serem resistentes a doenças como HIV, cólera e varíola (VCG/VCG/Getty Images)

E
EFE

Publicado em 26 de novembro de 2018 às, 11h49.

Pequim - Cientistas da China afirmaram que criaram os primeiros bebês do mundo geneticamente modificados, segundo a publicação americana 'MIT Technology Review', mas a Universidade de Shenzhen, na qual os pesquisadores trabalham, disse que não tem conhecimento sobre o estudo.

Os pesquisadores utilizaram a técnica do CRISPR/Cas9 em duas gêmeas para torná-las resistentes a doenças como HIV, cólera e varíola, de acordo com os dados difundidos neste domingo pela revista especializada.

Embora o MIT ressalte que o trabalho ainda não foi publicado em nenhuma revista científica, o pesquisador responsável, He Jiankui, informou em um vídeo publicado no YouTube o processo de fertilização que seguiu até conseguir o nascimento neste mês das duas gêmeas geneticamente modificadas: Lulu e Nana.

"Os resultados indicaram que a operação funcionou corretamente, como estava previsto", disse He no vídeo, no qual também destacou que as meninas têm seus genes modificados para que não possam contrair o HIV.

Segundo He, a modificação genética não tem o objetivo de eliminar doenças genéticas, mas de "dar às meninas a habilidade natural para resistir a uma possível infecção futura do HIV".

Para isso, os pesquisadores 'desativaram' o gene CCR5, o que na prática seria uma melhoria do DNA, segundo He, que acrescentou que "serão apresentados mais detalhes sobre a pesquisa" no próximo mês.

O desenvolvimento deste plano, que utiliza tecnologia proibida nos Estados Unidos e na Europa, pode gerar controvérsia, pois alguns cientistas o consideram uma nova forma de medicina, que elimina as doenças genéticas, enquanto outros veem o método como uma forma de eugenia.

A universidade não tem conhecimento do estudo de He e as autoridades de saúde de Shenzhen "não receberam nenhuma solicitação" para sua realização, informou nesta segunda-feira o jornal "China Daily".

A publicação chinesa acrescentou que o estudo "suscitou controvérsias" entre os acadêmicos e os cidadãos do país "por sua ética e efetividade".

"A tecnologia de manipulação genética está longe de ser madura e não deve ser usada em humanos", disse ao jornal o cientista Wu Zunyou, para quem é "inadequado" fazer uma pesquisa desse tipo em humanos.

Em 2016, um grupo de cientistas chineses foi o primeiro a utilizar a manipulação genética em humanos, concretamente com pacientes com câncer de pulmão, a tecnologia CRISPR, segundo informou na época a revista "Nature".

No entanto, cientistas no Reino Unido descobriram que a tecnologia de edição genética CRISPR pode causar mais danos às células do que se acreditava até agora, segundo um estudo divulgado este ano pela mesma revista.

Últimas Notícias

Ver mais
Nasa busca voluntários para missão de um ano em simulador de vida em Marte
Ciência

Nasa busca voluntários para missão de um ano em simulador de vida em Marte

Há 3 horas

Cientistas projetam supercolisor que pode revolucionar a física moderna
Ciência

Cientistas projetam supercolisor que pode revolucionar a física moderna

Há 3 horas

Telescópio James Webb pode ter descoberto mistério de supernova de 1987
Ciência

Telescópio James Webb pode ter descoberto mistério de supernova de 1987

Há 3 dias

Qual é a origem da Lua? Agência espacial do Japão diz ter pistas
Ciência

Qual é a origem da Lua? Agência espacial do Japão diz ter pistas

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais