Ciência
Acompanhe:

Câncer de pele: vacina pode reduzir em 44% risco de morte, diz teste preliminar

O novo produto utiliza a tecnologia de RNA mensageiros, a mesma de imunizantes contra covid-19, e por isso permite personalizar doses da vacina com até 34 antígenos

 (Getty Images/Reprodução)

(Getty Images/Reprodução)

E
Estadão Conteúdo

19 de dezembro de 2022, 21h10

Uma nova vacina em fase de testes desenvolvida pelas farmacêuticas Moderna e Merck Sharp and Dohme (MSD) pode diminuir os riscos de morte ou regresso de câncer de pele em pacientes que estão tratando a doença.

Os resultados iniciais, ainda não publicados em revistas científicas, foram divulgados este mês e mostram que pacientes que receberam a vacina junto à terapia Keytruda, que aumenta a capacidade do sistema imune do corpo em detectar e combater as células tumorais, tiveram 44% menos chances de morte ou retorno da doença.

O novo produto utiliza a tecnologia de RNA mensageiro (mRNA) - a mesma de imunizantes contra covid-19 - e por isso permite personalizar doses da vacina com até 34 antígenos que podem ser detectados em melanomas, o tipo de câncer mais frequente no Brasil, correspondendo a 30% dos casos da doença, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca).

O que dizem as últimas pesquisas científicas mais importantes? Descubra ao assinar a EXAME, por menos de R$ 0,37/dia.

"É uma tecnologia similar à das vacinas contra covid-19, que permite criar rapidamente novas vacinas a partir de diferentes antígenos. Mas, neste caso, a personalização é feita de paciente para paciente e não em massa, como é feita com as doses atualizadas contra covid. Além disso, as células cancerígenas não sofrem mutações tão rapidamente quanto o vírus", explica Márcia Abade, diretora médica da MSD Brasil.

Até agora, os testes vêm sendo realizados em 157 pacientes pacientes com melanoma de estágios III e IV que foram submetidos a resseção cirúrgica completa. Em 2023, a vacina passará por uma última fase de testes - que deve ter um grupo de pacientes maior e durar em torno de dois a três anos. Se comprovada a sua eficácia e segurança, ela será comercializada.

Personalização e precisão no tratamento do câncer

Para desenvolver a vacina, a farmacêutica utiliza como base um exame de biópsia do paciente, em que são detectados os antígenos daquele tumor e desenvolvem a vacina personalizada. "Nós fazemos uma análise genética e endereçamos uma vacina específica, individualizada, para aquele paciente", complementa Márcia Abade. Com isso, segundo a médica, as chances de eficácia tendem a ser maiores.

A aprovação da vacina em teste pode ser um primeiro passo para a utilização dessa tecnologia para outros tipos de câncer, aponta Stéphane Bancel, diretora-geral da Moderna.

"Iniciaremos estudos adicionais em melanoma e outras formas de câncer com o objetivo de trazer um tratamento de câncer verdadeiramente individualizado aos pacientes", afirma ela. "Estamos ansiosos para publicar os dados completos e compartilhar os resultados em uma próxima conferência médica oncológica, bem como com as autoridades de saúde."