Carreira

Bernardo Cavour, da FLOW, diz quem é mais procurado

Headhunter há mais de 15 anos, já trabalhou nas empresas Michael Page International, IBM e nos bancos Pactual e HSBC, antes de ir para a Flow Executive Finders

Bernardo Cavour, da Flow Executive Finders (Newton Santos / Hype)

Bernardo Cavour, da Flow Executive Finders (Newton Santos / Hype)

DR

Da Redação

Publicado em 14 de novembro de 2013 às 12h28.

Qual é o perfil profissional mais demandado atualmente?

Bernardo Cavour - Há uma busca por executivos empreendedores, que colocam a mão na massa e apresentam boas práticas para realizar mudanças. Eles são demandados para cargos diversos, como presidente, diretor financeiro e até de RH, e todos com um mandato de transformação. Estou trabalhando duas posições com esse perfil, uma para um grande grupo do setor de saúde e outra para uma empresa familiar de médio porte do setor de serviços.

Em quanto tempo você encontra alguém com esse perfil?

Bernardo Cavour - Em duas ou três semanas. É uma condição da FLOW selecionar profissionais nesse espaço de tempo, independentemente da posição.

E o que deixou de ser requisito na busca por um candidato, seja para RH, seja para outros cargos? 

Bernardo Cavour - Devido ao amadurecimento do mercado, a experiência técnica ou em determinado setor perdeu importância para nossos clientes. Outros aspectos ganharam relevância, como a aderência do perfil cultural do candidato ao perfil da empresa e o alinhamento de propósitos entre o profissional e o empregador. Analisamos o que cada um quer construir para checar a compatibilidade de objetivos.

A importância das competências técnicas diminuiu, então? 

Bernardo Cavour - O candidato precisa ter habilidades e conhecimentos técnicos, é claro, mas o aspecto comportamento tem maior relevância nos processos de hoje. Isso aconteceu porque, quando as empresas avaliaram o nível de turnover, perceberam que eram os aspectos comportamentais que levavam ao pedido de desligamento de um funcionário.

A procura por diretores de RH continua intensa como em 2012?

Bernardo Cavour - Continua, mas o curioso é que empresas menores que ainda não tinham um departamento de gestão de pessoas também estão entrando em contato conosco. A ideia é recrutar um gestor para profissionalizar a área. 

Acompanhe tudo sobre:Edição 26ExecutivosGestão de pessoasgestao-de-negociosRecursos humanos (RH)vagas-de-emprego

Mais de Carreira

Toda empresa tem employer branding?

BRF abre mais de 2 mil vagas de emprego em 14 estados do Brasil, veja os requisitos

As lições de carreira da ex-jogadora Hortência para profissionais de RH

Mais de 5 milhões de jovens não estudam e não trabalham no Brasil, diz Ministério do Trabalho

Mais na Exame