Bússola
Um conteúdo Bússola

Resiliência é o futuro do setor de seguros

Consumidores e empresas esperam que as seguradoras tenham maior compreensão das necessidades individuais do cliente

Setor de seguros: a arrecadação no primeiro bimestre cresceu 4,5% comparada com o mesmo período de 2020 (Pattanaphong Khuankaew/EyeEm/Getty Images)

Setor de seguros: a arrecadação no primeiro bimestre cresceu 4,5% comparada com o mesmo período de 2020 (Pattanaphong Khuankaew/EyeEm/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 7 de maio de 2021 às 08h30.

Última atualização em 7 de maio de 2021 às 09h29.

Por Antonio Carlos Costa*

A palavra resiliência parece ter conquistado seu espaço na área econômica diante de tantos desafios trazidos pela pandemia. Em um cenário extremamente difícil, o setor de seguros conseguiu reavaliar prioridades, traçar novos caminhos e aperfeiçoar produtos e serviços para atender às necessidades do consumidor. Já se sabe que o setor tem potencial para crescer, mas depende do avanço da vacinação contra a covid-19, da retomada da economia e de facilitar o acesso à educação financeira para os brasileiros.

Dados do último informe da Confederação Nacional de Seguros (CNSeg) apontam que a arrecadação de seguros no primeiro bimestre cresceu 4,5% comparada com o mesmo período de 2020, quando ainda não havia pandemia. O setor teve arrecadação de R$ 22 bilhões em fevereiro deste ano.

Com avanço de 12,6%, os seguros de Danos e Responsabilidade ficaram com a liderança e o segmento de pessoas acumulou crescimento de 1,5%; e os Títulos de Capitalização tiveram receitas aumentadas em 6,6%. No Rio de Janeiro, os seguros de Danos e Responsabilidade cresceram 14,6% mantendo a liderança, e os outros segmentos que se mostraram em crescimento foram o habitacional com 8,3% e o de vida com 12,8%. Já no Estado do Espírito Santo, o segmento de vida apresentou aumento de 28,8%, o seguro de garantia estendida acumulou alta de 43,3% e o habitacional cresceu 2%.

Pesquisa recente realizada pela TransUnion – empresa especializada em soluções que auxiliam na prospecção de novos clientes, cross selling e prevenção à fraude – aponta tendências do mercado norte-americano que podem auxiliar as empresas brasileiras de seguro a adotar novas práticas e estratégias digitais para compreender melhor as necessidades do novo consumidor pós-pandemia.

De acordo com o estudo, consumidores e empresas esperam que as seguradoras tenham maior compreensão das necessidades individuais do cliente. O estudo aponta ainda que os esforços de digitalização da operação de seguros continuarão presentes neste ano, e que essa transformação está acontecendo em todo o ciclo de vida das apólices de seguro. Os próximos meses e iniciativas do governo federal serão decisivas para o rumo da saúde e consequentemente da economia do país.

*Antonio Carlos Costa é presidente do Sindicato das Seguradoras do Rio de Janeiro e do Espírito Santo

Siga Bússola nas redes: Instagram | LinkedinTwitter  |   Facebook   |  Youtube

Acompanhe tudo sobre:Seguro de vidaSeguros

Mais de Bússola

Quem é a empresária que já cresce mais de 100% ao ano promovendo networking entre C-Levels?

Helbor é primeira incorporadora pura a conquistar selo Empreendedor AQUA

Como usar seu Imposto de Renda para ajudar o Rio Grande do Sul, crianças e idosos

Bia Félix: por que a geração Z está obcecada com o passado?

Mais na Exame