Um conteúdo Bússola

Margem de erro de 36% do FMI

Coluna de Alon Feuerwerker analisa os ajustes feitos pelo Fundo Monetário Internacional às previsões de recessão econômica para o Brasil e o mundo
FMI: fato é que a economia brasileira desandou bem menos que o previsto (Yuri Gripas/Reuters)
FMI: fato é que a economia brasileira desandou bem menos que o previsto (Yuri Gripas/Reuters)
B
Bússsola

Publicado em 13/10/2020 às 21:44.

Última atualização em 13/10/2020 às 21:45.

O FMI deu uma ajustada na sua previsão de junho para a contração da economia mundial. 5,2% para 4,5%. 0,7 pontos percentuais. Um ajuste de 13,5% na taxa anterior. Significativo, mas não um portento.

Já no caso da economia brasileira a coisa foi bem além. O FMI atenuou a previsão de recessão de 9,1% para 5,8%. Uma diferença de 3,3 pontos percentuais. Uma variação de 36,3%.

Bem, o FMI que se explique. Aliás, vamos combinar: fazer previsão em meados de outubro para qualquer taxa do ano corrente, para qual vai ser o resultado final em dezembro, não chega a ser algo muito heroico.

O fato é que a economia brasileira desandou bem menos que o previsto. Graças principalmente ao auxílio emergencial, entre outras medidas adotadas pelo governo e pelo Congresso Nacional.

A dúvida agora é sobre 2021. No momento, todas as previsões são de que a retomada vai acontecer, já está em algum grau acontecendo, mas não será suficiente nem para compensar o recuo deste ano.

Talvez o país devesse estar dando prioridade para essa discussão. Mas aí já não seria, felizmente, o Brasil de 2020.