• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

Estudantes compartilham moradia e experiência nos novos colivings

Espaços compartilhados para estudo e trabalho segue crescente no mundo, e revoluciona mercado residencial
Convivência favorece a adaptação de residentes, além de trazer acolhimento (Getty Images/Compassionate Eye Foundation/Steven)
Convivência favorece a adaptação de residentes, além de trazer acolhimento (Getty Images/Compassionate Eye Foundation/Steven)
Por BússolaPublicado em 03/11/2021 11:49 | Última atualização em 03/11/2021 11:49Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Compartilhar moradias e espaços vêm se mostrando uma tendência que veio para ficar. Mesmo antes da pandemia, os colivings e coworkings já cresciam a olhos vistos, em vários nichos de mercado para aluguel de imóveis: além de serem econômicos, reuniam pessoas com objetivos e identidades parecidas, senso de comunidade, faixa etária e resolviam até uma eventual solidão de viver ou mesmo trabalhar sozinho.

Esse é o caso dos residenciais estudantis privados. Permanece a tendência de compartilhar experiências. Ao estudarem juntos, os universitários encontram um clima de amizade e todo o apoio para quem vem de fora e não conhece a cidade — acolhimento e uma forma de se enturmar. As moradias estudantis oferecem toda a tecnologia e ferramentas para o aprendizado, como: salas para reunião, internet rápida e até app para residentes, tranquilidade para se concentrar nos estudos, coworking e o acesso ao lazer.

Esse segmento privado, consagrado no exterior, vem crescendo cada vez mais no Brasil, nos moldes da Europa e Estados Unidos. É o caso da Share Student Living, que já tinha uma unidade na Consolação e inaugurou duas novas unidades esse ano em bairros tradicionais pela proximidade de grandes complexos universitários: Butantã e Vila Mariana. Ao lado da USP — Universidade de São Paulo — o Share Butantã tem capacidade para 672 residentes e é o maior residencial para estudantes da América Latina.

“O próximo passo é o lançamento de dois novos residenciais no bairro de Perdizes em São Paulo, e em Lajeado, no Rio Grande do Sul. Nesta cidade gaúcha vamos inaugurar o conceito “on Campus” no Brasil, inspirado pela experiência da Redstone Residencial que atua em diversas cidades americanas e é nossa parceira”, afirma Claudio Dall’Acqua, CEO da Share.

A Universidade do Vale do Taquari (Univates) em Lajeado, tem capacidade para 12 mil alunos, sendo que a grande maioria é de fora da cidade

Convivência favorece a adaptação

Segundo uma pesquisa feita este semestre pela Universidade Federal de Minas Gerais em três das maiores universidades públicas mineiras, por Letícia Pereira de Sousa, a moradia estudantil tem um efeito positivo na adaptação do estudante à nova realidade do ensino superior. Ameniza o período de “estranhamento” ao sair de sua cidade, da casa da família e promove a inclusão social. Os novos universitários precisam desenvolver autonomia em relação aos estudos e seguir as regras da universidade — bem diferentes da escola.

Os residenciais estudantis privados, ainda pouco conhecidos por quem mora longe das grandes cidades, estão promovendo uma revolução no mercado residencial, que sempre contou com a tradição estudantil das antigas repúblicas — a forma então mais acessível de morar longe da casa dos pais. Hoje reúne universitários de todo o tipo de curso de graduação e pós-graduação, traz a comodidade de residir perto da faculdade e com fácil acesso ao transporte público, espaços amplos compartilhados, piscina e academia 24h, bicicletário, cozinha coletiva e toda a inovação necessária para o estudo.

Dall’Acqua conta ainda que, assim como Londres, capital da Inglaterra, que possui aproximadamente três milhões de estudantes de diversas regiões do mundo, São Paulo é um polo estudantil, com residentes de todo Brasil e de inúmeros países.

“Já tivemos no Share Consolação, num só semestre, estudantes de 24 países. Os últimos dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Política) apontam que existem mais de oito milhões de estudantes universitários no Brasil. Esse movimento aquece a economia, o comércio e gera awareness para a capital paulista e toda cidade que acolhe estudantes”, diz o CEO.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedInTwitter | Facebook | Youtube

Veja também