Acompanhe:

Estudantes compartilham moradia e experiência nos novos colivings

Espaços compartilhados para estudo e trabalho segue crescente no mundo, e revoluciona mercado residencial

Modo escuro

Continua após a publicidade
Convivência favorece a adaptação de residentes, além de trazer acolhimento (Compassionate Eye Foundation/Steven/Getty Images)

Convivência favorece a adaptação de residentes, além de trazer acolhimento (Compassionate Eye Foundation/Steven/Getty Images)

B
Bússola

Publicado em 3 de novembro de 2021 às, 11h49.

Compartilhar moradias e espaços vêm se mostrando uma tendência que veio para ficar. Mesmo antes da pandemia, os colivings e coworkings já cresciam a olhos vistos, em vários nichos de mercado para aluguel de imóveis: além de serem econômicos, reuniam pessoas com objetivos e identidades parecidas, senso de comunidade, faixa etária e resolviam até uma eventual solidão de viver ou mesmo trabalhar sozinho.

Esse é o caso dos residenciais estudantis privados. Permanece a tendência de compartilhar experiências. Ao estudarem juntos, os universitários encontram um clima de amizade e todo o apoio para quem vem de fora e não conhece a cidade — acolhimento e uma forma de se enturmar. As moradias estudantis oferecem toda a tecnologia e ferramentas para o aprendizado, como: salas para reunião, internet rápida e até app para residentes, tranquilidade para se concentrar nos estudos, coworking e o acesso ao lazer.

Esse segmento privado, consagrado no exterior, vem crescendo cada vez mais no Brasil, nos moldes da Europa e Estados Unidos. É o caso da Share Student Living, que já tinha uma unidade na Consolação e inaugurou duas novas unidades esse ano em bairros tradicionais pela proximidade de grandes complexos universitários: Butantã e Vila Mariana. Ao lado da USP — Universidade de São Paulo — o Share Butantã tem capacidade para 672 residentes e é o maior residencial para estudantes da América Latina.

“O próximo passo é o lançamento de dois novos residenciais no bairro de Perdizes em São Paulo, e em Lajeado, no Rio Grande do Sul. Nesta cidade gaúcha vamos inaugurar o conceito “on Campus” no Brasil, inspirado pela experiência da Redstone Residencial que atua em diversas cidades americanas e é nossa parceira”, afirma Claudio Dall’Acqua, CEO da Share.

A Universidade do Vale do Taquari (Univates) em Lajeado, tem capacidade para 12 mil alunos, sendo que a grande maioria é de fora da cidade

Convivência favorece a adaptação

Segundo uma pesquisa feita este semestre pela Universidade Federal de Minas Gerais em três das maiores universidades públicas mineiras, por Letícia Pereira de Sousa, a moradia estudantil tem um efeito positivo na adaptação do estudante à nova realidade do ensino superior. Ameniza o período de “estranhamento” ao sair de sua cidade, da casa da família e promove a inclusão social. Os novos universitários precisam desenvolver autonomia em relação aos estudos e seguir as regras da universidade — bem diferentes da escola.

Os residenciais estudantis privados, ainda pouco conhecidos por quem mora longe das grandes cidades, estão promovendo uma revolução no mercado residencial, que sempre contou com a tradição estudantil das antigas repúblicas — a forma então mais acessível de morar longe da casa dos pais. Hoje reúne universitários de todo o tipo de curso de graduação e pós-graduação, traz a comodidade de residir perto da faculdade e com fácil acesso ao transporte público, espaços amplos compartilhados, piscina e academia 24h, bicicletário, cozinha coletiva e toda a inovação necessária para o estudo.

Dall’Acqua conta ainda que, assim como Londres, capital da Inglaterra, que possui aproximadamente três milhões de estudantes de diversas regiões do mundo, São Paulo é um polo estudantil, com residentes de todo Brasil e de inúmeros países.

“Já tivemos no Share Consolação, num só semestre, estudantes de 24 países. Os últimos dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Política) apontam que existem mais de oito milhões de estudantes universitários no Brasil. Esse movimento aquece a economia, o comércio e gera awareness para a capital paulista e toda cidade que acolhe estudantes”, diz o CEO.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedInTwitter | Facebook | Youtube

Veja também

Últimas Notícias

Ver mais
USP investe R$ 5 milhões em fundo que busca doações para bancar bolsas
Brasil

USP investe R$ 5 milhões em fundo que busca doações para bancar bolsas

Há um dia

Para vender um imóvel deixado em herança, todos os herdeiros precisam concordar?
seloMercado imobiliário

Para vender um imóvel deixado em herança, todos os herdeiros precisam concordar?

Há um dia

Aliados de Nunes dizem que filiação de Aldo Rebelo ao MDB dificulta sua indicação para vice
Brasil

Aliados de Nunes dizem que filiação de Aldo Rebelo ao MDB dificulta sua indicação para vice

Há 2 dias

Aldo Rebelo troca PDT por MDB e mira vice de Ricardo Nunes
Brasil

Aldo Rebelo troca PDT por MDB e mira vice de Ricardo Nunes

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais