Em um futuro próximo, teremos mais profissionais na ciência e saúde

Com os holofotes voltados para a pesquisa e o alto investimento de laboratórios, tem crescido o interesse pela graduação em Ciências Biomédicas

Historicamente, a disputa por uma vaga no vestibular de medicina está sempre entre as mais concorridas. O sonho de exercer uma profissão essencial e admirada, além da possibilidade de uma carreira promissora, sempre estimulou milhares de estudantes a entrar nessa briga. No último ano, com os trabalhadores da saúde em destaque, o número de interessados em ingressar na área teve um novo salto, dando luz ainda para outras possibilidades promissoras no setor.

 

Siga Bússola nas redes:  InstagramLinkedin  | Twitter  |   Facebook   |  Youtube 

A relevância da ciência e daqueles que integram a linha de frente no enfrentamento da pandemia é o grande impulsionador desta onda. A imagem dos trabalhadores corajosos e incansáveis fortalece o ideal de propósito desta nova geração, que vê na profissão uma forma de fazer a diferença.

As profissões relacionadas à ciência despontaram como opções interessantes para os futuros profissionais. Com os holofotes voltados para a pesquisa e o alto investimento de laboratórios no desenvolvimento de medicamentos e vacinas, tem crescido o interesse pela graduação em Ciências Biomédicas, que oferece disciplinas diretamente ligadas ao tema, como o funcionamento do sistema imunológico e comportamento dos vírus. Na USP, a procura pela Biomedicina no último vestibular foi a maior desde que o curso foi criado em 2011. Em relação ao ano anterior, o aumento foi de 22,3% (como comparação, as inscrições para medicina tiveram alta de 19,4% no mesmo período).

O crescimento na procura por formação em medicina, farmácia, enfermagem, nutrição ou biomedicina, entre outras possibilidades do setor, é uma tendência mundial, como apontou a recém-lançada Global Learner Survey 2021, realizada pela Pearson, empresa global de educação. O estudo ouviu 2 mil estudantes universitários em quatro países (Brasil, China, Reino Unido e Estados Unidos) e revelou que 56% dos entrevistados estão repensando suas escolhas como consequência da pandemia, sendo que 45% deles passou a considerar carreiras da saúde.

A instabilidade em quase todos os setores da economia durante a pandemia, somada ao medo do desemprego, ajudaram a desenhar esse novo cenário. Não só os universitários, mas profissionais de todas os segmentos e níveis estão vivendo mudanças rápidas e drásticas na forma de trabalhar. Ao contrário de outras frentes, no entanto, as áreas da ciência e saúde parecem trazer menos incertezas e mais possibilidades aos olhos dos jovens.

Flavia Rezende* é sócia-diretora da Loures Consultoria

Assine os Boletins da Bússola

 

Mais da Bússola:

https://exame.com/bussola/tecnologia-brasileira-permite-detectar-covid-19-em-segundos-pelo-celular/

https://exame.com/bussola/o-dilema-de-naomi-osaka/

https://exame.com/bussola/dicas-do-editor-furar-fila-da-vacina-e-piada-homofobica-tem-algo-em-comum/

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.