Vacinação contra gripe: Saúde antecipa campanha devido à alta de casos; veja datas e público

Oferta das doses terá início no dia 25 de março em todas as regiões do Brasil, menos a Norte

Vacina da gripe: a medida vale para todas as regiões do Brasil (d3sign/Getty Images)

Vacina da gripe: a medida vale para todas as regiões do Brasil (d3sign/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 29 de fevereiro de 2024 às 10h49.

Última atualização em 29 de fevereiro de 2024 às 11h01.

O Ministério da Saúde decidiu antecipar a campanha de vacinação contra a gripe, que geralmente tem início em meados de abril, para o dia 25 de março devido ao aumento da circulação de vírus respiratórios no país. A medida vale para todas as regiões do Brasil, menos a Norte, onde a imunização ocorre no segundo semestre devido às particularidades climáticas que influenciam a disseminação do Influenza na região.

O Instituto Butantan, em São Paulo, responsável pela produção das vacinas utilizadas na campanha brasileira, disse que 5 milhões de doses iniciais serão entregues nesta quinta-feira, e as demais 70,2 milhões serão enviadas ao Ministério até abril. Ao todo, foram acordadas 81,8 milhões de aplicações – outras 6,6 milhões serão entregues em setembro para a vacinação na região Norte.

“Desde o ano passado, estamos observando uma antecipação de circulação de vírus respiratórios em geral. Então, esse ano nós vamos antecipar a campanha para proteger a população, principalmente os idosos, as gestantes, os profissionais de saúde, da educação e todas as pessoas que são elegíveis, para que a gente possa estar com a população protegida antes do inverno”, explicou a secretária de Vigilância em Saúde e Ambiente, Ethel Maciel, em comunicado.

Quem pode se vacinar contra a gripe?

A campanha de vacinação contra a gripe na rede pública no Brasil é destinada a grupos considerados prioritários por terem maior risco de contrair a infecção e evoluir para um quadro grave. Juntos, o Ministério espera que 75 milhões de brasileiros sejam imunizados. São eles:

Crianças de 6 meses a menores de 6 anos;
Crianças indígenas de 6 meses a menores de 9 anos;
Trabalhadores da Saúde;
Gestantes;
Puérperas;
Professores dos ensinos básico e superior;
Povos indígenas;
Idosos com 60 anos ou mais;
Pessoas em situação de rua;
Profissionais das forças de segurança e de salvamento;
Profissionais das Forças Armadas;
Pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais (independentemente da idade);
Pessoas com deficiência permanente;
Caminhoneiros;
Trabalhadores do transporte rodoviário coletivo (urbano e de longo curso);
Trabalhadores portuários;
Funcionários do sistema de privação de liberdade;
População privada de liberdade, além de adolescentes e jovens sob medidas socioeducativas (entre 12 e 21 anos).

A vacina é administrada anualmente em dose única. A exceção são as crianças que vão receber o imunizante pela primeira vez. Nesse caso, são necessárias duas doses, aplicadas com um intervalo de 30 dias entre elas.

A dose da gripe pode ser administrada na mesma ocasião de outras vacinas, como a da Covid-19. A proteção é importante para evitar hospitalizações e óbitos. De acordo com estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS), anualmente entre 5% e 10% da população mundial é infectada pelo Influenza, e até 650 mil pessoas morrem.

“A vacinação contra influenza é de extrema importância, sobretudo para idosos e pessoas com algum tipo de comorbidade. O vírus influenza ainda causa preocupação devido à capacidade de adaptação, além de facilitar as complicações para outras síndromes respiratórias. Antecipar os lotes desta vacina ao Ministério da Saúde, reforça o compromisso do Butantan com a saúde pública da população brasileira”, afirma o diretor do Instituto Butantan, Esper Kallás, em nota.

A vacina utilizada na rede pública é trivalente, ou seja, fornece proteção contra três cepas do vírus, as de maior circulação. Anualmente, ela é atualizada para contemplar as versões de maior atenção, seguindo recomendações da OMS.

Neste ano, para o Hemisfério Sul, foram designadas as cepas: A/Victoria/4897/2022 (H1N1); A/Thailand/8/2022 (H3N2); e B/Austria/1359417/2021 (B/linhagem Victoria). Na rede privada, a dose disponível é quadrivalente, pois há a inclusão de uma linhagem a mais do Influenza.

Acompanhe tudo sobre:VacinasGripes

Mais de Brasil

Marco temporal: Gilmar Mendes suspende processos sobre lei

Haddad: Pedido dos líderes é para enviar PL da tributária na quarta-feira

Governo e Congresso tentam acordo para votar Perse nesta terça

'Pacote anti-MST' volta à Câmara com projeto que dispensa ordem judicial para retirada de invasores

Mais na Exame