Brasil

Vacina da Janssen tem validade ampliada para 6 meses, decide Anvisa

País receberá mais 38 milhões de doses da vacina da Janssen até o fim de 2021; medida reduz o risco de perda do imunizante por vencimento da validade

Doses de vacina da Janssen contra o coronavírus (Covid-19) (Eduardo Frazão/Exame)

Doses de vacina da Janssen contra o coronavírus (Covid-19) (Eduardo Frazão/Exame)

AB

Agência Brasil

Publicado em 9 de outubro de 2021 às 20h24.

A diretoria colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou por unanimidade a extensão do prazo de validade da vacina da Janssen (Johnson & Johnson) contra a covid-19. O prazo passa de quatro meses e meio para seis meses, sob condições de armazenamento entre 2°C e 8°C. A informação foi divulgada pela Anvisa neste sábado, dia 9 de outubro.

A medida é importante porque permite um melhor planejamento da aplicação das doses nos brasileiros, ao mesmo tempo em que reduz a probabilidade de desperdício de vacinas por perda da validade.

Segundo dados do Ministério da Saúde, o país receberá mais 38 milhões de doses da vacina da Janssen até o fim de 2021.

A empresa Janssen-Cilag Farmacêutica havia solicitado a alteração do prazo de validade para a autorização temporária de uso emergencial do imunizante, em caráter experimental, no último dia 15 de setembro.

Segundo a Anvisa, a aprovação foi baseada em uma criteriosa avaliação dos dados de qualidade dos estudos, que demonstraram que a vacina se manteve estável pelo período de seis meses.

No Brasil, a vacina da Janssen está autorizada para uso emergencial desde 31 de março deste ano. A vacina é a única aprovada pela Anvisa em dose única e, quando armazenada entre temperaturas de -25°C e -15°C, possui prazo de validade de 24 meses, a partir da data de fabricação.

(Com a Redação)

Acompanhe tudo sobre:AnvisaJohnson & Johnsonvacina contra coronavírusVacinas

Mais de Brasil

Chuva deve voltar ao Rio Grande do Sul nesta segunda-feira

Apenas 11% das escolas têm internet na velocidade certa, diz pesquisa

Julgamento que pode cassar Jorge Seif ficará para Cármen Lúcia após saída de Moraes do TSE

Rio Grande do Sul: Defesa Civil contabiliza 200 toneladas de alimentos doados

Mais na Exame