Acompanhe:

Toffoli resgata história e defende a manutenção do foro privilegiado

Ministro defendeu que prerrogativa deve valer para crimes cometidos a partir da diplomação dos parlamentares, independentemente de terem relação com cargo

Modo escuro

Continua após a publicidade
Dias Toffoli: "Esse julgamento trouxe aprendizados. O aperfeiçoamento atribuiu ao Supremo uma expertise para atuação mais célere" (Adriano Machado/Reuters)

Dias Toffoli: "Esse julgamento trouxe aprendizados. O aperfeiçoamento atribuiu ao Supremo uma expertise para atuação mais célere" (Adriano Machado/Reuters)

Amanda Pupo e Rafael Moraes Moura, do Estadão Conteúdo

Publicado em 2 de maio de 2018 às, 16h43.

Brasília - O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), defendeu, na tarde desta quarta-feira, 2, as regras de prerrogativa de foro para parlamentares. Segundo o ministro, que ainda não havia concluído seu voto, o foro surgiu pela influência que oligarquias locais exerciam sobre magistrados de primeiro grau.

"Sou favorável às regras de prerrogativa de foro pois entendo que em uma federação complexa e marcadamente desigual como a brasileira quem deve julgar as autoridades máximas do País não deve ser o poder local, nem as elites policiais, ministeriais e judiciárias locais, no caso, juízes de primeira instância, mas sim, um órgão da nação brasileira", disse o ministro.

O plenário retomou hoje o julgamento sobre o tema com a posição de Toffoli. Oito ministros já votaram em outras sessões. Conforme antecipado pelo Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, Toffoli defendeu a tese defendida pelo ministro Alexandre de Moraes, para quem a prerrogativa deve valer para crimes cometidos a partir da diplomação dos parlamentares, independentemente de terem relação ou não com o cargo.

Além de tecer argumentos favoráveis ao foro, Toffoli fez colocações contundentes sobre o trabalho no Supremo, criticando a afirmação de que a prerrogativa construiu uma "cultura de impunidade" no Brasil. Toffoli destacou que, de 1924 até 2001, quando foi aprovada a Emenda Constitucional 35, era preciso autorização do Congresso para que pudesse tramitar no Supremo processos contra parlamentares.

"(Falar em cultura de impunidade) é um desrespeito aos nossos colegas aposentados (ministros do Supremo). É preciso conhecer a história. De 1924 a dezembro de 2001 não havia como processar membros do Congresso sem autorização da Casa. Não havia ação a ser julgada, não havia autorização do Congresso Nacional", afirmou Toffoli. Segundo o ministro, entre 1988 e 2001, só tramitaram seis ações penais no Supremo, enquanto que, de 2002 até abril de 2018, já foram autuadas 661 ações penais na Corte.

O ministro ainda frisou que o julgamento do mensalão foi um grande marco para o processamento de ações penais no STF. "Esse julgamento trouxe aprendizados. O aperfeiçoamento atribuiu ao Supremo uma expertise para atuação mais célere", disse o ministro.

"A própria PF passou por um processo de fortalecimento institucional sem precedentes na história do País, incremento de recursos financeiros e tecnológicos, e com melhorias para o seu quadro", afirmou.

Últimas Notícias

Ver mais
Uber pede ao STF suspensão de processos que tratam de vínculo com motoristas
Brasil

Uber pede ao STF suspensão de processos que tratam de vínculo com motoristas

Há 5 horas

Revisão da vida toda do INSS: julgamento de recurso no STF é marcado para 20 de março
Brasil

Revisão da vida toda do INSS: julgamento de recurso no STF é marcado para 20 de março

Há 3 dias

Descriminalização do porte de drogas para uso pessoal volta à pauta do STF; entenda a ação
Brasil

Descriminalização do porte de drogas para uso pessoal volta à pauta do STF; entenda a ação

Há 3 dias

STF retoma em 6 de março julgamento sobre porte de drogas para consumo pessoal
Brasil

STF retoma em 6 de março julgamento sobre porte de drogas para consumo pessoal

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais