Acompanhe:

Tempo de indultos excessivamente generosos acabou, diz Sérgio Moro

Futuro ministro disse respeitar STF mas que, na linha afirmada pelo presidente eleito, esse será o último indulto com tão ampla generosidade

Modo escuro

Continua após a publicidade
Sérgio Moro: reconhecendo o quadro de superlotação no país, um dos motivos para o indulto, ex-juiz disse não acreditar que "a solução seja abrir a porta da cadeia" (Daniel Derevecki/Reuters)

Sérgio Moro: reconhecendo o quadro de superlotação no país, um dos motivos para o indulto, ex-juiz disse não acreditar que "a solução seja abrir a porta da cadeia" (Daniel Derevecki/Reuters)

B
Breno Pires e Luísa Marini, Estadão Conteúdo

Publicado em 30 de novembro de 2018 às, 19h52.

Brasília - O futuro ministro da Justiça e Cidadania, Sérgio Moro, afirmou que o novo governo jamais vai editar um indulto natalino que seja "excessivamente generoso" a condenados, mas não se comprometeu com a promessa do presidente eleito, Jair Bolsonaro, de encerrar no próximo governo o oferecimento do perdão da pena a condenados. Ele também sugeriu que o presidente Michel Temer não edite regras tão flexíveis como as do ano passado - um novo decreto deve ser publicado até o fim do ano.

O comentário foi feito nesta sexta-feira, 30, na semana em que o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) começou o julgamento sobre a constitucionalidade do decreto de indulto do ano passado, assinado pelo presidente Michel Temer, que está suspenso.

"Respeito enormemente o Supremo Tribunal Federal e qualquer decisão a ser tomada no plenário será respeitada. Mas, na linha que afirmada pelo presidente eleito, esse será o último indulto com tão ampla generosidade", disse Moro no comitê de transição de governo. "Espero que o indulto a ser editado neste ano não tenha o mesmo perfil do ano passado".

Diante de questionamentos específicos sobre se não haverá um novo decreto de indulto no futuro governo, Moro disse que tudo ia passar por conversas. "Não vai haver mais nenhum indulto com a generosidade desse indulto específico. As questões ainda têm que ser debatidas com o senhor presidente da República eleito", afirmou Moro. Desta forma, o futuro ministro desceu o tom em relação ao que foi afirmado por Bolsonaro nesta semana. O futuro presidente da República afirmou que, se houver novo indulto neste ano, será o último.

O indulto é um instrumento previsto na Constituição da República e é tradicionalmente concedido no país, com regras que podem ser mais ou menos rígidas. O alcance do benefício depende unicamente da disposição do presidente da República.

As regras propostas por Temer foram amplamente criticadas pelo Ministério Público Federal e também pelo próprio Sérgio Moro, por permitir que crimes sem violência possam ser perdoados com apenas o cumprimento de um quinto da pena, incluindo os de corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

O indulto de Temer também permite que pessoas com penas elevadíssimas recebam o benefício. Uma decisão liminar de Luís Roberto Barroso, do Supremo, alterou essas regras específicas, impondo requisitos mais rigorosos.

Reconhecendo o quadro de superlotação no país, um dos motivos para o indulto, Moro disse não acreditar que "a solução seja abrir a porta da cadeia" porque isso deixaria a população desprotegida. "A política do governo vai ser mais restritiva", afirmou.

Últimas Notícias

Ver mais
Câmara dos EUA intima X a prestar informações sobre STF em meio a embate entre Musk e Moraes
Mundo

Câmara dos EUA intima X a prestar informações sobre STF em meio a embate entre Musk e Moraes

Há 4 horas

Ministra argentina recua e diz que Milei não vai interferir no embate de Musk com STF
Mundo

Ministra argentina recua e diz que Milei não vai interferir no embate de Musk com STF

Há 7 horas

CNJ afasta ex-juíza da Lava-Jato, atual titular da vara da operação e dois desembargadores do TRF-4
Brasil

CNJ afasta ex-juíza da Lava-Jato, atual titular da vara da operação e dois desembargadores do TRF-4

Há 9 horas

Regulação da IA precisa proteger direitos fundamentais, diz Barroso
Inteligência Artificial

Regulação da IA precisa proteger direitos fundamentais, diz Barroso

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais