Brasil

Tebet: Pochmann no IBGE foi uma indicação pessoal de Lula e o economista será muito bem-vindo

Segundo a ministra, a decisão de um nome de Lula no IBGE já estava acordada desde que ela assumiu o Planejamento

Plenário do Senado Federal durante sessão de debates temáticos destinada a debater o tema "Juros, Inflação e Crescimento".

À mesa, em pronunciamento, ministra de Estado do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet.

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado (Edilson Rodrigues/Agência Senado/Flickr)

Plenário do Senado Federal durante sessão de debates temáticos destinada a debater o tema "Juros, Inflação e Crescimento". À mesa, em pronunciamento, ministra de Estado do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet. Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado (Edilson Rodrigues/Agência Senado/Flickr)

André Martins
André Martins

Repórter de Brasil e Economia

Publicado em 27 de julho de 2023 às 12h37.

A ministra do Planejamento, Simone Tebet, disse nesta quinta-feira, 27, que a indicação de Márcio Pochamn à presidência do IBGE atendeu um pedido pessoal de Lula e que o economista será "muito bem-vindo" na equipe. 

"Nada mais justo que atender o presidente (Lula), independentemente do nome. Acataremos qualquer nome que venha. Agora eu sei o nome dele (Márcio Pochamn) e terei o maior prazer em atender ao presidente Lula. Não faço pré-julgamentos. A conversa será técnica, ele será muito bem-vindo", afirmou. 

Tebet falou com jornalistas ao chegar ao Ministério da Fazenda, onde terá uma reunião com o ministro Fernando Haddad. Segundo a ministra, a decisão de um nome de Lula no IBGE já estava acordada desde que ela assumiu o Planejamento.  "Queremos deixar muito claro que já havia um consenso sobre a troca. Acho mais do que justo esse pedido. Lula não me fez nenhum pedido (até então)", explicou. 

A ministra garantiu que o trabalho do economista será técnico à frente do órgão e não fará prejulgamentos em relação ao nome de Pochmann. "Eu não quero saber do passado (o economista), quero saber do presente. Será um trabalho técnico", disse. 

Ontem, em entrevista à Globo News, Tebet disse que não tratava o assunto com Lula no momento. "Não estamos tratando de IBGE, até porque seria um desrespeito com um presidente que está hoje lá e que tem um ciclo que não se encerrou", disse a ministra, em referência ao atual chefe do órgão, Cimar Azeredo, que ocupa o cargo interinamente desde janeiro.

Tebet afirmou que não conhece Pochmann, que presidiu o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) entre 2007 e 2012, durante gestões petistas. No mesmo período, a ministra foi prefeita da cidade de Três Lagoas (MS) e vice-governadora do Mato Grosso do Sul. "Não o conheço, no momento em que ele estava no governo, eu estava no meu Estado", disse Tebet. "Como não sou economista e não o conheço, não posso fazer nenhuma consideração."

Quem é Márcio Pochmann?

O nome de Pochmann no comando do IBGE, órgão ligado ao Ministério do Planejamento, foi anunciado na quarta-feira, 26, pelo ministro das Comunicações, Paulo Pimenta. O nome do economista foi uma escolha pessoal de Lula.

Pochmann é presidente do Instituto Lula. Antes disso, nos governos de Lula e Dilma Rousseff ele comandou o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Ele é filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT) desde 2011, professor voluntário da Unicamp e duas vezes candidato derrotado à prefeitura de Campinas. Pochmann é formado em ciências econômicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e, em 1993, tornou-se doutor pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Acompanhe tudo sobre:Simone-TebetIBGE

Mais de Brasil

Em discussão em SP e Paraná, "privatização" de escolas tem apenas um projeto em operação no Brasil

Passe livre para estudantes pode ser padronizado; entenda o que deve mudar com projeto do Senado

Eleições: PL e PT vão receber os maiores valores do fundo eleitoral; veja valor para cada partido

Comissão do Senado deve votar novo Ensino Médio nesta terça-feira; veja o que pode mudar

Mais na Exame