Brasil

Tarcísio quer convergência entre Estados sobre ICMS e norte do governo federal

O governador reforçou, no entanto, que vai manter o compromisso firmado na campanha de não promover aumento na carga tributária em São Paulo

Tarcísio de Freitas: governador estima que as mudanças no ICMS geram um impacto de R$ 10,6 bilhões por ano ao cofre do Estado (Rogério Cassimiro/Governo do Estado de SP/Flickr)

Tarcísio de Freitas: governador estima que as mudanças no ICMS geram um impacto de R$ 10,6 bilhões por ano ao cofre do Estado (Rogério Cassimiro/Governo do Estado de SP/Flickr)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 26 de janeiro de 2023 às 15h32.

Última atualização em 26 de janeiro de 2023 às 15h40.

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), afirmou nesta quinta-feira, 26, que os Estados devem ter uma posição convergente sobre essencialidade da gasolina, compensação das perdas geradas pela lei que impôs um teto na cobrança do ICMS sobre bens essenciais e clareza do que entra na Tarifa de Utilização do Sistema de Distribuição (TUSD) para efeitos de aplicação da alíquota do imposto estadual na tarifa de energia.

O chefe do Executivo estadual, que participará nesta quinta do Fórum de Governadores em Brasília, avalia que os temas precisam ser discutidos junto ao governo federal para garantir uma baliza sobre impactos na arrecadação das unidades federativas. "Entendo que são coisas que a gente tem de botar na mesa, tem de levar para o governo federal para a gente ter um norte, ter uma baliza", afirmou Tarcísio aos jornalistas no período da manhã.

Ele estima que as mudanças no ICMS geram um impacto de R$ 10,6 bilhões por ano ao cofre do Estado.

O governador reforçou, no entanto, que vai manter o compromisso firmado na campanha de não promover aumento na carga tributária em São Paulo. "Se a gente for discutir elevação de alíquota modal de ICMS, isso acaba afetando todos os outros setores da economia. Então você vai trazer um subsídio direto para perda de arrecadação que você está tendo com combustível e no final das contas você vai prejudicar outros setores da economia", afirmou, ao rejeitar uma possível majoração nos preços aos consumidores e consequentemente, uma pressão inflacionária.

Como mostrou o Broadcast Político (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), o primeiro encontro presencial do Fórum de Governadores em 2023 está marcado para esta quinta-feira e discutirá formas de repor as perdas de arrecadação registradas nos Estados após a lei sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) que limitou a cobrança do ICMS. Também serão sugeridas alterações nas regras que definem a situação fiscal e a capacidade de tomar empréstimos.

O encontro ocorrerá às 17 horas, em Brasília, e será uma prévia do encontro marcado para a sexta-feira, 27, com o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva.

O chefe do Executivo, desde a campanha, prometeu reunir os governadores no primeiro mês de governo para ouvir as principais demandas dos Estados.

Agenda

Tarcísio acompanhou na manhã desta quinta as obras da Linha 6-Laranja de metrô da cidade de São Paulo. Conhecida como tatuzão, a tuneladora, que está construindo o túnel sentido norte da linha, vai chegar na futura estação Freguesia do Ó.

O governador voltou a defender a expansão do metrô no Estado e reforçou, mais uma vez, que o leilão do Rodoanel será realizado em março para a obra ser concluída em 2026.

Ele também mencionou a preparação para realização da travessia seca entre Santos e Guarujá, que consiste em um projeto de túnel entre as duas cidades.

Acompanhe tudo sobre:Estado de São PauloICMSTarcísio Gomes de Freitas

Mais de Brasil

Secretário de Turismo diz que 53% das atrações públicas do RS foram danificadas

Prefeito de Canoas diz que reconstrução de prédios públicos demanda mais de R$ 200 milhões

OPINIÃO: Nunca esqueceremos

Enchentes no RS: sobe para 155 o número de mortos; 94 pessoas seguem desaparecidas

Mais na Exame