Brasil
Acompanhe:

Tarcísio escolhe Capitão Derrite para chefiar Segurança Pública

Deputado federal pelo PL e ex-PM, ele deve ser anunciado pelo governador eleito nesta quarta-feira

Tarcísio de Freitas: Governador eleito deve anunciar Roberto de Lucena (Republicanos-SP) na pasta de Turismo (EVARISTO SA / AFP/Getty Images)

Tarcísio de Freitas: Governador eleito deve anunciar Roberto de Lucena (Republicanos-SP) na pasta de Turismo (EVARISTO SA / AFP/Getty Images)

A
Agência O Globo

30 de novembro de 2022, 19h05

O governador eleito de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), escolheu o deputado federal Capitão Derrite (PL-SP) como secretário de Segurança Pública em seu futuro governo. O anúncio deve ser feito pela equipe de transição na tarde desta quarta-feira. Tarcísio deve anunciar também Roberto de Lucena (Republicanos-SP) na pasta de Turismo e o presidente do PSD, Gilberto Kassab, na Secretaria de Governo,

O GLOBO confirmou que Derrite deve ocupar a Secretaria de Segurança Pública. Apoiador fiel do presidente Jair Bolsonaro, ele é capitão da Polícia Militar e defende uma política linha-dura para combater a criminalidade.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Ele tem no currículo formação em Ciências Sociais e Segurança Pública na Academia de Polícia Militar do Barro Branco, bacharelado em Direito na Universidade Cruzeiro do Sul e pós-graduação em Ciências Jurídicas na mesma instituição.

A escolha de Derrite é o principal aceno ao bolsonarismo até o momento. Outros nomes confirmados no novo governo são considerados de perfil mais técnico, como Natália Rezende na Infraestrutura e Renato Feder na Educação, ou ligados a grupos políticos distantes do bolsonarismo, como o próprio Kassab.

Ele é coautor de um pedido de instauração de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara para investigar supostos abusos de autoridade e o que chama de censura por parte de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e Superior Tribunal Eleitoral (TSE).

Ele relatou a proposta aprovada na Câmara que extingue saídas temporárias de presos dos estabelecimentos prisionais. Também endossateses golpistas segundo as quais houve fraude nas eleições, e que o pleito dado a vitória a Bolsonaro, o que é falso.

Lucena, por sua vez, é pastor evangélico e tem apoio de ala do bolsonarismo em São Paulo, que defendia sua nomeação. Em 2015, ele se licenciou do cargo de deputado federal para ocupar a Secretaria de Turismo no governo paulista. Agora, ele retoma o cargo.

Kassab, por sua vez, já havia sido confirmado na semana passada. Seu nome é o mais indigesto para a militância bolsonarista entre todos os nomeados até agora. Além de ter sido ministro de Dilma Rousseff, ele tem articula para integrar seu partido à base do governo do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva, o que desagrada apoiadores mais radicais de Bolsonaro.

LEIA TAMBÉM: