Brasil

STF manda criar regras para uso de algemas em menores durante audiência com juiz

Tribunal entendeu que o uso de algemas na adolescente foi devidamente justificado pelo magistrado

Sede do Supremo Tribunal Federal, em Brasília (DF) (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Sede do Supremo Tribunal Federal, em Brasília (DF) (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 8 de maio de 2024 às 16h55.

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal enviou recomendação ao Conselho Nacional de Justiça para que seja estudada uma regulamentação sobre o uso de algemas em menores de idade.

Durante julgamento nesta terça, 7, sobre uma adolescente apreendida em flagrante por suposto tráfico de drogas, o colegiado reiterou que o uso de algemas em jovens, durante a apresentação ao juízo, ‘deve ser excepcional’.

No caso específico, o Tribunal, por unanimidade, entendeu que o uso de algemas na adolescente, durante audiência de apresentação ao juiz, foi devidamente justificado pelo magistrado, portanto a medida foi validada.

A recomendação também foi dirigida aos Tribunais de Justiça de todo o País para conhecimento dos magistrados que atuam em Varas da Infância e da Juventude, e aos procuradores-gerais de Justiça para repasse das informações aos promotores da área.

As sugestões foram elaboradas pela ministra Cármen Lúcia, que destacou a quantidade de ações que tratam do uso de algemas em menores e apontou a necessidade de fixar regras específicas sobre o tema.

Atualmente, o uso de algemas em menores de idade é descrito por uma súmula vinculante do STF. O texto diz que a medida só cabe em casos de ‘resistência e de receio fundamentado, de fuga ou de perigo à integridade física própria ou alheia, por parte do preso ou de terceiros’.

A não justificação, por escrito, da medida, pode implicar em nulidade da apreensão e à responsabilização disciplinar, civil e penal do agente responsável por impor o uso indevido da algema.

Agora, o Supremo sugeriu ao CNJ que, toda vez que um adolescente for apreendido, o Ministério Público deve ser instado a se manifestar sobre a necessidade do uso de algemas. O parecer da Promotoria vai embasar a decisão do magistrado sobre a medida.

A proposta também prevê que, se não for possível a apresentação imediata do menor de idade à Promotoria, nem sua liberação, o adolescente deve ser encaminhado a uma unidade especializada de atendimento.

Ainda foi sugerido que, em cidades sem local de atendimento, os adolescentes apreendidos fiquem separados dos adultos por 24 horas, no máximo. Nesse caso, o Conselho Tutelar também deverá ser informado.

Acompanhe tudo sobre:Supremo Tribunal Federal (STF)

Mais de Brasil

Governo sanciona lei que prevê plano de combate à violência contra mulher

PL do aborto: Conselho Federal da OAB aprova parecer que avalia texto como inconstitucional

Em SP, operação da Polícia Civil despeja projeto social na Cracolândia

PF recupera gravuras raras roubadas há 16 anos da Biblioteca Mário de Andrade, em SP

Mais na Exame