Acompanhe:

Durante muito tempo, foi difundido na sociedade que o cérebro da mulher não era biologicamente capaz de lidar com temas complexos — como os relacionados às ciências exatas —, tampouco de liderar uma nação e todas as áreas inerentes ao interesse coletivo, como Economia, Tecnologia, Segurança e Saúde. No Brasil, em especial, isso resultou em barreiras impostas desde cedo às meninas. A reflexão é de Sonia Guimarães, doutora em física e professora no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), uma das mais prestigiadas instituições de ensino brasileiras. Sonia é a primeira mulher negra do país a se tornar doutora em física.

“Até 1996, mulheres eram impedidas até mesmo de prestar vestibular para o ITA. Hoje, as melhores notas do vestibular são de mulheres. A melhor nota dentre quem se formou em 2022 foi de uma mulher, com 9,5 em todas as engenharias. A luz no fim do túnel para elas está em parar de acreditar na história de que são menos capazes. As campeãs das Olimpíadas de Física e Matemática são meninas; os países que menos tiveram mortes por covid-19 têm presidência feminina ou uma mulher como ministra da Saúde. Elas não são menos capazes, só estão chegando ao poder aos poucos”, argumenta. Desde o início da década de 1990, Sonia já lecionava no ITA, a única mulher negra dentre as pouquíssimas no campus, tendo em vista que, na época, elas não podiam ingressar como estudantes.

Para mulheres negras, a entrada e o desenvolvimento nessas carreiras são ainda mais difíceis. “No ensino fundamental, me disseram que eu nunca aprenderia física. Eu terminei aquele ano como a segunda do colégio inteiro na disciplina. Na universidade, a história foi parecida. Infelizmente, é um fato em todas as áreas que, pela cor da pele, você tem de ‘matar dois leões por dia’ — e juntando com o fato do gênero, são ‘quatro leões por dia’”, reflete.

No bate-papo, a cientista ressalta que a melhor forma de atrair o público feminino desde cedo para carreiras que envolvam ciências exatas e tecnologia é mostrando os exemplos de mulheres que não apenas não acreditaram na falácia da incapacidade, como também estão chegando aos mais altos cargos e posições — representando, inclusive, 70% das publicações científicas do País.

Reforma do ensino médio

Sonia considera que é muito cedo exigir que um adolescente que acabou de ingressar no ensino médio escolha uma função e defina o resto de sua vida naquele momento. O ideal, segundo ela, seria apresentar as oportunidades existentes no mundo e, mais adiante, pedir para que escolha seus interesses, mas sem fechar portas. Posteriormente, na última etapa da formação escolar, o estudante tomaria uma decisão. “[O ensino médio] tinha de ter uma matéria de carreiras. Isso não existe, nem na faculdade. Algumas escolas têm o teste vocacional, mas o estudante não é apresentado a todas as possibilidades existentes.”

Veja a entrevista completa

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Apenas três em cada 10 escolas públicas possuem biblioteca, apontam Tribunais de Contas
Brasil

Apenas três em cada 10 escolas públicas possuem biblioteca, apontam Tribunais de Contas

Há 4 horas

Penitenciárias federais: por que foram criadas e como funcionam?
Brasil

Penitenciárias federais: por que foram criadas e como funcionam?

Há 6 horas

Lewandowski vai a Mossoró amanhã para acompanhar investigações de fuga de penitenciária federal
Brasil

Lewandowski vai a Mossoró amanhã para acompanhar investigações de fuga de penitenciária federal

Há 7 horas

Dengue: Belo Horizonte decreta emergência; Brasil tem 94 mortes confirmadas
Brasil

Dengue: Belo Horizonte decreta emergência; Brasil tem 94 mortes confirmadas

Há 7 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais