Sócio da Arxo já se entregou à PF em Curitiba

A Arxo, segundo uma testemunha, pagava propina para conseguir informações privilegiadas e contratos na BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras

Brasília - João Gualberto Pereira, um dos sócios da empresa Arxo, já está na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

Ele é investigado pela Operação Lava Jato por suposto envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras e está sob regime de prisão preventiva.

A Arxo, segundo uma testemunha, pagava propina para conseguir informações privilegiadas e contratos na BR Distribuidora, empresa responsável por vender o óleo produzido pela petroleira.

Ele está em Guarulhos (SP), embarcando para Curitiba.

O empresário estava nos Estados Unidos quando a Justiça decretou sua prisão preventiva para prestar depoimento sobre as denúncias.

O irmão dele, Gilson João Pereira, foi preso ontem (e prestou depoimento hoje), também em regime preventivo, além do diretor financeiro da Arxo, Sérgio Ambrosio Maçanerro.

Na sede da Arxo, em Balneário Piçarras (SC), foram apreendidos grande quantidade de notas de real e de dólar, além de relógios e perfumes escondidos em fundos falsos.

A PF considera foragido Mario Góes, consultor que faria essa intermediação da Arxo com a BR.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.