Acompanhe:

União Química estimava chegada da vacina russa para daqui a 15 dias

Ministério da Saúde oficializou nesta sexta, dia 5, solicitação de compra de 10 milhões de doses da Sputnik V; Anvisa deve liberar o uso emergencial na próxima semana

Modo escuro

Continua após a publicidade
Vacina Sputnik V, da Rússia: primeiras doses devem chegar ao Brasil em 15 dias (Agustin Marcarian/Reuters)

Vacina Sputnik V, da Rússia: primeiras doses devem chegar ao Brasil em 15 dias (Agustin Marcarian/Reuters)

C
Carla Aranha

Publicado em 5 de fevereiro de 2021 às, 14h24.

Última atualização em 5 de fevereiro de 2021 às, 21h18.

Os representantes da União Química que estiveram nesta sexta, dia 5, em reunião com o Ministério da Saúde, em Brasília, saíram esparançosos em relação à aprovação de uso emergencial da vacina russa, a Sputnik V, pela Anvisa. O governo brasileiro oficializou o pedido de compra de 10 milhões de doses e deu uma sinalização positiva sobre o registro do imunizante no país.

A União Química, que tem um contrato de transferência de tecnologia com o Fundo Soberano da Rússia, distribuidor internacional do imunizante, já está em conversas com Moscou para deliberações sobre a logística de entrega no Brasil.

A expectativa é que a Anvisa dê o sinal verde para o uso emergencial na próxima sermana. A empresa informa que já apresentou mais de 80% da documentação solicitada.

Os técnicos do Ministério da Saúde contam que é quase certa a aprovação da vacina pela agênca reguladora. Diante dessa perspectiva positiva, a União Química já começou a endereçar questões de logística e acredita que o primeiro lote dos imunizantes chegue ao Brasil dentro de 15 dias.

"A Rússia vem tratando esse assunto não só como uma venda comercial, mas também como um programa humanitário, com transferência de tecnologia, para os países, como no caso do Brasil", diz Rosso. "É perfeitamente confiável o prazo de chegada da vacina aqui".

A vacina russa deverá ser incorporada ao Plano Nacional de Imunização, do governo federal. Até março, as 10 milhões de doses compradas inicialmente deverão ser importadas da Rússia. Os lotes adicionais serão fabricados no Brasil, pela União Química. A empresa tem capacidade de produzir cerca de 8 milhões de doses por mês.

Nesta sexta-feira, dia 5, executivos da União Química tiveram uma reunião com a agência reguladora para esclarecer questionamentos e dar sequência ao pedido de uso emergencia. O encontro, segundo a empresa, foi bem-sucedido.  "Em até 60 dias, no máximo, devemos enviar para o Ministério da Sáude as 10 milhões de doses solicitadas neste primeiro momento", diz Rogério Rosso, diretor de negócios internacionais da empresa.

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

 

Últimas Notícias

Ver mais
Mendonça autoriza empresas a renegociarem acordos de leniência fechados na Lava-Jato
Brasil

Mendonça autoriza empresas a renegociarem acordos de leniência fechados na Lava-Jato

Há 3 horas

Projeto de lei quer proibir que motorista de aplicativo cobre passageiro pelo uso do ar-condicionado
Brasil

Projeto de lei quer proibir que motorista de aplicativo cobre passageiro pelo uso do ar-condicionado

Há 4 horas

Empregados de Furnas recorrem de decisão do STF que liberou AGE da Eletrobras
Brasil

Empregados de Furnas recorrem de decisão do STF que liberou AGE da Eletrobras

Há 5 horas

TSE vota amanhã regra para inteligência artificial nas eleições
Brasil

TSE vota amanhã regra para inteligência artificial nas eleições

Há 5 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais