Brasil

Santana e Mônica são soltos após pagarem fiança de R$ 31 mi

Casal está proibido de atuar em campanhas eleitorais até uma nova decisão sobre o caso


	Santa e Mônica: casal está proibido de atuar em campanhas eleitorais até uma nova decisão sobre o caso
 (Rodrigo Paiva/REUTERS)

Santa e Mônica: casal está proibido de atuar em campanhas eleitorais até uma nova decisão sobre o caso (Rodrigo Paiva/REUTERS)

DR

Da Redação

Publicado em 1 de agosto de 2016 às 20h27.

O marqueteiro João Santana e a mulher dele, Mônica Moura, deixaram a carceragem da Polícia Federal (PF) em Curitiba por volta das 16h30, após serem libertados por uma decisão do juiz Sérgio Moro.

Em troca da liberdade, Moro estabeleceu o cumprimento de medidas cautelares, como o pagamento de fiança de R$ 31,4 milhões e a proibição de atuarem em campanhas eleitorais até uma nova decisão sobre o caso. Os valores já estavam bloqueados. Eles estavam presos há cinco meses. 

Na decisão, Moro decidiu soltar o casal depois que eles admitiram, em depoimento na ação penal em que são réus, que receberam U$S 4,5 milhões no exterior referente a uma dívida de campanha de 2010 da presidenta Dilma Roussef. 

O juiz criticou “a naturalidade e a desfaçatez” com que Santana e Mônica admitiram o caixa 2 na campanha, mas entendeu que a prisão preventiva não é mais necessária porque a ação penal está próxima do fim. A próxima fase será a sentença.

De acordo com o juiz, o uso de caixa 2 nas campanhas eleitorais “é trapaça” e afeta o processo político democrático.

“O álibi ‘todos assim fazem’ não é provavelmente verdadeiro e ainda que o fosse não elimina a responsabilidade individual. Se um ladrão de bancos afirma ao juiz como álibi que outros também roubam bancos, isso não faz qualquer diferença em relação a sua culpa. O mesmo raciocínio é válido para corruptores, corruptos, lavadores de dinheiro e fraudadores de campanhas eleitorais”, argumentou Moro. 

Após o depoimento do casal, o PT declarou que todas as “operações do partido foram feitas dentro de legalidade”. O partido também ressaltou que as contas de campanha eleitoral de 2010 foram aprovadas pela Justiça Eleitoral.

A presidenta Dilma Rousseff afirmou em seu Twitter que não autorizou pagamento de caixa 2 “a ninguém”. “Se houve pagamento, não foi com meu conhecimento”, afirmou Dilma.

Acompanhe tudo sobre:estrategias-de-marketingJoão SantanaOperação Lava JatoPartidos políticosPolícia FederalPolítica no BrasilPT – Partido dos TrabalhadoresSergio Moro

Mais de Brasil

Professores decidem manter greve nas universidades federais após nova oferta do governo Lula

Ao lado de Bolsonaro, Tarcísio e provável vice, Nunes diz que chapa será anunciada na semana que vem

FAB encerra neste sábado recebimento de doações ao Rio Grande do Sul

Censo 2022: Brasil tem 106,8 milhões de endereços, um aumento de 19,5% em relação ao Censo anterior

Mais na Exame