Brasil

Rui Costa pedirá ao governo liberação imediata de residência oficial para Lula

Essa é a primeira vez em que os dois se reúnem após a confirmação, na última sexta-feira, do nome do governador baiano para assumir a chefia da pasta no governo Lula

Rui-Costa (Raul Golinelli/Governo da Bahia/Reprodução)

Rui-Costa (Raul Golinelli/Governo da Bahia/Reprodução)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 14 de dezembro de 2022 às 14h49.

Futuro chefe da Casa Civil e governador da Bahia, Rui Costa (PT) afirmou nesta terça-feira, 13, que o gabinete de transição tentará antecipar a liberação de uma das residências oficiais do governo para prepará-la minimamente e, então, permitir que o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), tenha uma moradia em Brasília que possa ser ocupada pela família dele já no início do mandato.

Em entrevista à GloboNews, Costa disse que a "tradição" manda se oferecer ainda durante a transição uma residência para o presidente eleito, o que não ocorreu; quando está em Brasília, Lula tem se hospedado em um hotel. Segundo o futuro chefe da Casa Civil, Lula corre o risco de, em pleno início de mandato, demorar para poder ocupar uma das moradias oficiais. "O mínimo que se tem de fazer por qualquer um que compra um apartamento é higienizar, fazer a pintura, a arrumação. Gastam-se alguns dias" disse. "Talvez, seja a primeira vez na história do Brasil que isso aconteça", disse, referindo-se ao fato de que nenhum imóvel oficial foi liberado até o momento.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Caso o imóvel não seja liberado a tempo da posse, Lula terá de conviver por alguns dias de forma improvisada fora de uma das residências oficiais porque "não lhe foi dada essa oportunidade". A reportagem entrou em contato com o Planalto, mas o órgão não se posicionou até a publicação desta matéria

Nesta terça-feira, 13, Rui Costa teve um encontro com o atual ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP) para discutir a transição entre as gestões. Essa é a primeira vez em que os dois se reúnem após a confirmação, na última sexta-feira, do nome do governador baiano para assumir a chefia da pasta no governo Lula.

Segundo o petista, o encontro ocorreu em "clima de tranquilidade". "A reunião foi bastante positiva e ocorreu em clima de tranquilidade. Uma transição de governo tranquila mostra maturidade de quem está saindo, e de quem chega para a nova gestão", disse o petista em nota enviada à imprensa. O governador da Bahia ressaltou que ele e Nogueira estão comprometidos com o respeito à institucionalidade.

Vandalismo durante cerimônia de diplomação

O futuro chefe da Casa Civil afirmou que se até o dia 31 as providências contra os extremistas que fizeram atos de vandalismo no dia da cerimônia de diplomação do presidente eleito Lula não forem tomadas, medidas serão adotadas a partir do dia 1º, quando o petista tomar posse.

Costa defendeu a apuração e o devido processo legal. Ainda na entrevista à GloboNews, Costa disse que os manifestantes radicais caminhavam em direção ao hotel onde está hospedado Lula. "Deu para ver nitidamente. Aquele hotel permite uma visão de ruas diferentes. O objetivo era chegar o mais próximo possível do hotel", afirmou.

O governador baiano ainda defendeu que "a grande missão" do futuro governo será pacificar o País e fazê-lo se unir novamente. "Podemos ter diferentes opiniões sobre religião, futebol, tudo, mas não podem chegar às vias de fato e ameaçar as instituições brasileiras."

O tumulto desta segunda-feira, 12, foi iniciado depois que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou a prisão do indígena José Acácio Serere Xavante, apoiador do presidente Jair Bolsonaro. A prisão foi decretada a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) por indícios de crimes de ameaça, perseguição e manifestações antidemocráticas em vários pontos de Brasília. Os manifestantes ainda tentaram invadir a sede da Polícia Federal (PF).

Próximos nomes ministeriais

Sobre os anúncios dos novos nomes do terceiro governo Lula, Rui Costa declarou que o presidente eleito não fará um atrelamento das nomeações do governo ao calendário de votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Transição, aprovada pelo Senado e que será votada pela Câmara. "O presidente Lula está fazendo todas as conversas pessoalmente com os partidos e lideranças e está a seu tempo tomando as decisões sobre os nomes que irão compor o governo. Não fará esse atrelamento vinculado a um calendário de votação da PEC", declarou.

Costa afirmou também ter confiança de que o presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL), e os deputados "deixarão sua contribuição para o País" ao aprovar a PEC da Transição. "Quase a totalidade desses recursos é para aplicar para as pessoas que estão com fome e garantir o funcionamento mínimo do Estado brasileiro em 2023", ressaltou.

LEIA TAMBÉM: 

Acompanhe tudo sobre:Governo LulaLuiz Inácio Lula da SilvaMinistério da Casa Civil

Mais de Brasil

Governo sanciona lei que prevê plano de combate à violência contra mulher

PL do aborto: Conselho Federal da OAB aprova parecer que avalia texto como inconstitucional

Em SP, operação da Polícia Civil despeja projeto social na Cracolândia

PF recupera gravuras raras roubadas há 16 anos da Biblioteca Mário de Andrade, em SP

Mais na Exame