Acompanhe:

Rosa Weber vota contra habeas corpus a Palocci; Toffoli abre divergência

Ministra afirmou que acompanharia a íntegra do voto do relator, Fachin, e destacou que o colegiado decidiu pelo não conhecimento do habeas corpus

Modo escuro

Continua após a publicidade
Antonio Palocci: juiz federal Sérgio Moro sentenciou ex-ministro a 12 anos, 2 meses e 20 dias de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro (Renato Araújo/Agência Brasil/Agência Brasil)

Antonio Palocci: juiz federal Sérgio Moro sentenciou ex-ministro a 12 anos, 2 meses e 20 dias de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro (Renato Araújo/Agência Brasil/Agência Brasil)

A
Amanda Pupo, Teo Cury e Rafael Moraes Moura, do Estadão Conteúdo

Publicado em 12 de abril de 2018 às, 15h38.

Brasília - Cinco ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) já votaram para não conceder o pedido de liberdade do ex-ministro da Fazenda Antônio Palocci: Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes, Luiz Fux e Rosa Weber.

Rosa foi a primeira a dar o voto na sessão desta quinta-feira, 12, que dá continuidade ao julgamento do habeas corpus de Palocci, e foi seguida pela manifestação do ministro Dias Toffoli, que abriu divergência para acabar com a prisão preventiva do ex-ministro.

Em voto breve, a ministra do STF afirmou que acompanharia a íntegra do voto do relator, Fachin, e destacou que o colegiado decidiu pelo não conhecimento do habeas corpus, ao entender que não é possível analisar pedido de liberdade contra prisão preventiva quando há uma condenação posterior.

Já Toffoli, que votou pela admissão do habeas corpus, afirmou que, apesar de não ser possível "ignorar a gravidade das condutas supostamente praticadas", "não justifica por si só a decretação da prisão cautelar".

Ele propôs que Palocci seja liberado da prisão preventiva e submetido a medidas cautelares estabelecidas pelo juízo de origem. "Descabe cogitar da prisão preventiva como antecipação de uma pena porque estaria se implementando uma execução provisória em primeiro grau, contrariando a jurisprudência desta Corte", completou.

Os ministros passaram a tarde desta quarta-feira, 11, decidindo questões preliminares sobre o processo do ex-ministro da Fazenda. A primeira votação analisou se o relator poderia ter retirado o caso da Segunda Turma do STF, a qual compõe, e submeter o habeas corpus para análise do plenário, com os 11 ministros.

Depois, os membros do STF decidiram que não poderiam analisar o habeas corpus porque Palocci foi condenado em primeiro grau enquanto aguardava tramitar no Supremo o pedido de liberdade contra a preventiva. A defesa dele entrou com o pedido no tribunal em abril de 2017, e a condenação em primeira instância ocorreu em junho do mesmo ano.

O juiz federal Sérgio Moro, de Curitiba, sentenciou Palocci a 12 anos, 2 meses e 20 dias de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O caso ainda não foi julgado em segunda instância. Apesar de a maioria dos ministros determinar que o habeas corpus estava prejudicado em função desses fatos, Fachin optou por analisar o processo de "ofício".

Isso acontece quando o ministro entende que, apesar de não poder aceitar o habeas corpus por questões processuais, é necessário avaliar se existe alguma ilegalidade na prisão do réu.

Então, perto do fim da sessão plenária desta quarta-feira, o relator respondeu à defesa e aos colegas do plenário que não vislumbrava ilegalidades na prisão preventiva do ex-ministro. Depois de Barroso, Fux e Moraes anunciaram que acompanhariam o relator.

Últimas Notícias

Ver mais
STF considera mudança nas 'sobras eleitorais' inconstitucional, mas mantém deputados eleitos em 2022
Brasil

STF considera mudança nas 'sobras eleitorais' inconstitucional, mas mantém deputados eleitos em 2022

Há um dia

Bancar privilégio a filhos de diplomatas no exterior inverte objetivos da República, diz Cármen
Brasil

Bancar privilégio a filhos de diplomatas no exterior inverte objetivos da República, diz Cármen

Há um dia

STF determina que demissão de concursados em estatais precisa de 'fundamento razoável'
Brasil

STF determina que demissão de concursados em estatais precisa de 'fundamento razoável'

Há um dia

STF forma maioria para determinar repercussão geral em julgamento de vínculo entre Uber e motoristas
Brasil

STF forma maioria para determinar repercussão geral em julgamento de vínculo entre Uber e motoristas

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais