Brasil

Rodoviários retornam ao trabalho em Natal

Os motoristas e cobradores decidiram retornar ao trabalho depois que os empresários sinalizaram que não cortarão o ponto dos dias de greve


	Natal: tribunal havia julgado greve abusiva e determinado 7,32% de reajuste salarial
 (REUTERS/Sergio Moraes)

Natal: tribunal havia julgado greve abusiva e determinado 7,32% de reajuste salarial (REUTERS/Sergio Moraes)

DR

Da Redação

Publicado em 26 de junho de 2014 às 18h41.

Brasília - A greve dos rodoviários de Natal chegou ao fim, hoje (26), depois de 13 dias de paralisação e muitas discussões, inclusive judiciais.

Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado do Rio Grande do Norte (Sintro-RN), Nastagnam Batista, os motoristas e cobradores decidiram retornar ao trabalho depois que os empresários sinalizaram que não cortarão o ponto dos dias de greve.

“A garantia dos dias [parados] era o que mais estava pesando no bolso. Além disso, ficou acertado que voltaríamos ao trabalho e que reabriríamos a mesa de negociação”, afirmou Batista.

Ontem (25), o Tribunal Regional do Trabalho do Rio Grande do Norte determinou que o Sintro-RN deveria garantir o retorno ao trabalho, sob pena de multa.

A decisão também autorizava o uso de forças policiais para viabilizar a circulação da frota.

No dia anterior, o tribunal havia julgado a greve abusiva e determinado 7,32% de reajuste salarial, bem como aumento de R$ 10 no vale-alimentação e elevou, de 40% para 50%, o percentual de motoristas que acumulam a função de cobrador.

Os dois últimos pontos não agradaram os trabalhadores. Batista disse que o aumento do vale foi menor que a inflação do período. Eles esperam obter um valor maior, na mesa de negociação marcada para a próxima segunda-feira (30).

Também querem a suspensão do acúmulo de funções dos motoristas que também atuam como cobradores.

“O trabalhador entende que não cabe ao tribunal exigir que o motorista dirija dando o troco”, defendeu o presidente do Sintro-RN, para quem o acúmulo de funções deve ser debatido pela categoria.

O consultor técnico do Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros do Município do Natal (Seturn), Nilson Queiroga, explicou que a empresa queria a permissão para que 60% de trabalhadores acumulassem funções.

Ele disse que a medida não deve gerar desemprego, já que os cobradores conquistaram judicialmente a estabilidade, e disse que os profissionais recebem em média R$ 369 por mês para acumular as funções.

Apesar das discordâncias, o Seturn defende que a volta ao trabalho foi positiva, porque “mais um dia parado, sem receita, prejudicaria ainda mais um sistema que já vem deficitário”, afirmou Queiroga.

Já o Sintro-RN avalia que, apesar de não ter sido alcançado o reajuste salarial de 16%, a greve teve conquistas.

“No início, as empresas não queriam dar nenhum reajuste, terminamos com mais 7% e com a mesa de negociação aberta”, afirmou Batista.

Acompanhe tudo sobre:cidades-brasileirasGrevesNatal (RN)NegociaçõesÔnibusTransporte públicoTransportes

Mais de Brasil

Governo diz que concessionária seguirá operando Aeroporto Salgado Filho

Caso Marielle: Moraes autoriza inquérito contra irmãos Brazão e Rivaldo por suspeita de obstrução

Chuvas no RS: nível do Guaíba deve atingir cota de inundação nesta quarta-feira, aponta IPH

Mais na Exame