Brasil

RN vive quinta noite de ataques violentos; veja detalhes

Criminosos com armas em punho expulsaram moradores e incendiaram três casas no bairro Igapó, em Natal

Ipanguaçu, no Rio Grande do Norte: grande Natal ainda passa as madrugadas sob ataques de facção (TV Brasil/Agência Brasil)

Ipanguaçu, no Rio Grande do Norte: grande Natal ainda passa as madrugadas sob ataques de facção (TV Brasil/Agência Brasil)

Publicado em 18 de março de 2023 às 14h36.

Na madrugada deste sábado, 18, cidades do Rio Grande do Norte foram marcadas pela quinta noite seguida de ataques violentos. A onda de crimes teve início na última terça-feira, 14, e já levou a prisão de mais de 100 pessoas.

Criminosos com armas em punho expulsaram moradores e incendiaram três casas no bairro Igapó, em Natal. Uma idosa de 77 anos foi tirada da cama com uma arma apontada para a cabeça.

Em outra ocorrência, em São Gonçalo do Amarante, na Grande Natal, um policial penal foi morto a tiros em um novo atentado. Segundo a polícia, o crime aconteceu por volta das 21h30 em uma área comercial do bairro.

Familiares informaram que o policial penal foi atingido com três tiros no braço, na perna e no tórax. Carlos Eduardo Nazário, de 49 anos, foi socorrido e levado em uma viatura da Polícia Militar para o Hospital Santa Catarina, na zona norte de Natal, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

Presença das autoridades

No início da semana, o ministro da Justiça, Flávio Dino, enviou a Força Nacional para ajudar a conter os atos violentos pelo estado.

Os policiais militares e a Polícia Civil do Rio Grande do Norte se somaram aos integrantes da Força Nacional em vários pontos da cidade e em ações integradas para combater os últimos acontecimentos que assolaram o estado.

Sob a coordenação da Secretaria Estadual de Segurança Pública, o reforço chegará a aproximadamente 500 homens e mulheres enviados pelo Ministério da Justiça e da Segurança Pública.

A governadora Fátima Bezerra destacou que a ação integrada das forças de segurança do RN junto com a Força Nacional é uma demonstração de que o grupo continuará “incansável em tomar as medidas necessárias para restabelecer a paz e a ordem pública em todo o Rio Grande do Norte”.

Transferências

Policiais penais federais já transferiram ao menos dez presos do Presídio Rogério Coutinho, localizado no Complexo de Alcaçuz, para o Sistema Penitenciário Federal (SPF).

Os custodiados são acusados de comandar crimes como homicídios e tráfico de drogas. Além disso, eles também têm envolvimento em planos de fugas e ataques a patrimônios públicos e privados no Rio Grande do Norte.

A remoção foi a pedido do Ministério Público do estado do Rio Grande do Norte e do governo local e autorizada pelo Vara de Execução Penal.

No SPF, os presos ficarão isolados em celas individuais, com visitas monitoradas e apenas em parlatório e com rigorosos procedimentos de segurança.

Quem está por trás dos ataques no RN?

O Sindicato do Crime parece estar por trás das ações criminosas. A facção, que nasceu como uma dissidência do Primeiro Comando da Capital (PCC), possui forte atuação ligada ao narcotráfico no Estado e tem membros espalhados por diferentes penitenciárias potiguares.

O governo estadual acredita que as restrições de comunicação nas cadeias e ações investigativas contra a criminalidade podem ter desencadeado a reação criminosa.

Quantos já foram presos?

Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Norte, até as 6h deste sábado, 18, 104 pessoas foram presas.

Entre os presos estão foragidos da Justiça e pessoas que usam tornozeleira eletrônica em situações ilícitas.

O que já foi apreendido?

No total, foram apreendidos, desde a última terça-feira, 14:

  • 29 armas de fogo;
  • 87 artefatos explosivos;
  • 23 galões de gasolina;
  • 11 motos
  • 2 carros;
  • Dinheiro, drogas e munições.

Produtos de furto também foram recuperados.

(Com Agência Brasil)

Acompanhe tudo sobre:Rio Grande do NortePrisões

Mais de Brasil

'Perigo': Inmet alerta para tempestades no RS e Santa Catarina nesta sexta-feira; veja previsão

Datafolha: 66% dos brasileiros são contrários ao PL antiaborto

Com R$ 1 bi em investimentos, SPIC inaugura parque solar no Ceará

Mais na Exame