Brasil

Rio registra queda de 25% das mortes violentas no primeiro trimestre

Segundo o ISP, os números de roubo de carga também caíram no primeiro trimestre de 2024, chegando ao menor patamar desde 1999

Rio de Janeiro: cidade enfrenta graves problemas em relação à segurança pública (Getty Images/Getty Images)

Rio de Janeiro: cidade enfrenta graves problemas em relação à segurança pública (Getty Images/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 24 de abril de 2024 às 18h28.

Tudo sobreViolência urbana
Saiba mais

Dados do Instituto de Segurança Pública (ISP) mostram que o Rio de Janeiro registrou no primeiro trimestre deste ano uma redução de 25% no número de mortes violentas, em comparação ao mesmo período de 2023.

O índice engloba os homicídios, latrocínios, lesão corporal seguida de morte e morte por intervenção de agente do Estado. Entre janeiro e março deste ano foram registradas 951 mortes.

Os números de homicídio doloso reduziram também neste trimestre, chegando ao menor patamar desde 1991. No acumulado, foram 766 mortes — 16% a menos que o mesmo período do ano passado. As mortes por intervenção de agentes do Estado também registraram uma queda expressiva de 53%. Em março, foram 41 mortes o menor para o índice desde 2013.

— A redução desses indicadores estratégicos é algo que precisa ser destacado e nossa missão é continuar evoluindo. Temos um grande desafio, que é o de transformar essa queda dos números de criminalidade em sensação de segurança para quem vive e investe no nosso estado — diz o governador Cláudio Castro.

Segundo o ISP, os números de roubo de carga também caíram no primeiro trimestre de 2024, chegando ao menor patamar desde 1999. Nas ruas, as polícias apreenderam 1.592 armas nesses primeiros três medes, uma médica de 17 por dia.

Acompanhe tudo sobre:Rio de JaneiroSegurança públicaViolência urbana

Mais de Brasil

Secretário de Turismo diz que 53% das atrações públicas do RS foram danificadas

Prefeito de Canoas diz que reconstrução de prédios públicos demanda mais de R$ 200 milhões

OPINIÃO: Nunca esqueceremos

Enchentes no RS: sobe para 155 o número de mortos; 94 pessoas seguem desaparecidas

Mais na Exame