Acompanhe:

Rio pode poupar R$ 156 milhões em tratamento de água se plantar árvores

Estudo mostra que o terreno é fértil para soluções que jogam a favor da natureza

Modo escuro

Continua após a publicidade
Vista geral do Rio de Janeiro com Cristo Redentor em destaque. (Michael Regan/Getty Images/Getty Images)

Vista geral do Rio de Janeiro com Cristo Redentor em destaque. (Michael Regan/Getty Images/Getty Images)

V
Vanessa Barbosa

Publicado em 13 de dezembro de 2018 às, 14h01.

São Paulo - Quando se fala em soluções para suprir a demanda de água nas cidades, é comum pensar em grandes obras de infraestrutura hidráulica, como reservatórios, canais e transposição de cursos d´água, a chamada arquitetura cinza. 

Foi isso o que fizemos ao longo do século passado inteiro, quando industrias e campos agrícolas cresciam a todo vapor. Porém, em tempos de pressões crescentes sobre os recursos hídricos e incertezas climáticas, a solução pode vir da própria natureza, na forma de "infraestruturas verdes".

Um novo estudo divulgado nesta quinta-feira (13) dá exemplo. Plantar florestas pode resultar numa economia de R$ 156 milhões em 30 anos para a maior estação de tratamento de água do mundo, a ETA Guandu, no Rio de Janeiro.

A estação operada pela Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae) é responsável pelo tratamento da água que abastece 92% da população da região metropolitana do Rio.

O estudo foi produzido pela ONG ambientalistas e conservacionista WRI Brasil, Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza e a The Nature Conservancy (TNC). 

Dado o papel de filtragem que as florestas exercem na retenção de sedimentos e assoreamento dos cursos d’água, a restauração da vegetação nativa melhora a qualidade da água para abastecimento humano, reduzindo os gastos com tratamento. 

E não é preciso um grande esforço. Se as áreas naturais remanescentes (que já oferecem diversos serviços ambientais) forem preservadas e o governo em parceria com a sociedade e a iniciativa privada plantarem 3 mil hectares de florestas em áreas altamente degradadas – o que representa 1,4% da bacia –, a quantidade de terra, sujeira e sedimentos que chega nos rios reduziria em 33%.

Com menor quantidade de sedimentos, a ETA Guandu deixaria de usar 4 milhões de toneladas de produtos químicos e 260 mil MWh em energia, gerando o retorno do investimento de 13%, compatível com os resultados financeiros de obras no setor, segundo o estudo.  O terreno é fértil para soluções que jogam a favor da natureza.

Últimas Notícias

Ver mais
Ato de Bolsonaro na Paulista deve contar com deputados, senadores e governadores aliados
Brasil

Ato de Bolsonaro na Paulista deve contar com deputados, senadores e governadores aliados

Há 3 horas

Projeto prevê cadastro de clientes que não desejam receber ligação de bancos
Brasil

Projeto prevê cadastro de clientes que não desejam receber ligação de bancos

Há 7 horas

Lula deve ter ao menos 2 reuniões bilaterais em viagem à Guiana, diz Itamaraty
Brasil

Lula deve ter ao menos 2 reuniões bilaterais em viagem à Guiana, diz Itamaraty

Há 21 horas

Aneel mantém bandeira tarifária verde em março, sem adicional nas contas de luz
Brasil

Aneel mantém bandeira tarifária verde em março, sem adicional nas contas de luz

Há 21 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais