Brasil

Rio Grande do Sul terá 116 voos comerciais a mais semanais, diz Ministério de Portos e Aeroportos

Governo cria malha aérea emergencial para atender o estado que foi afetado por fortes chuvas

Chuvas no RS: Ministério de Portos e Aeroportos informa que estado terá 116 voos comerciais a mais por semana

Chuvas no RS: Ministério de Portos e Aeroportos informa que estado terá 116 voos comerciais a mais por semana

Publicado em 10 de maio de 2024 às 07h05.

O governo irá criar uma malha emergencial com 116 voos comerciais semanais para atender a população do Rio Grande do Sul. O anúncio foi dado nesta quinta-feira, 9, por meio do Ministério de Portos e Aeroportos. A região está em estado de calamidade pública após enchentes atingirem o RS, deixando mortos e feridos, além de centenas de milhares de desabrigados.

O objetivo é auxiliar o transporte aéreo após o fechamento, por tempo indeterminado, do Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, que está completamente alagado. Antes do fechamento, o aeroporto da capital gaúcha estava entre os 10 mais movimentados do país e representava quase 90% do volume de passageiros transportados em todo o estado.

Voos para RS

Segundo o ministro Sílvio Costa Filho, de Portos e Aeroportos, dos 12 aeroportos existentes hoje no Rio Grande do Sul, seis terminais farão parte do plano emergencial, com ampliação de voos e número de passageiros, além da Base Aérea de Canoas, na região metropolitana, que se tornou o principal centro logístico para a chegada de cargas e operações de resgate, e que poderá receber cinco voos comerciais diários e até 35 por semana.

Ao todo, segundo o governo, serão 53 voos semanais operando nos aeroportos de Caxias do Sul, Santo Ângelo, Passo Fundo, Pelotas, Santa Maria e Uruguaiana, no interior do estado. Além disso, os aeroportos de Florianópolis, Chapecó e Jaguaruna, em Santa Catarina, também farão parte do plano para apoio à população do Rio Grande do Sul, com ampliação de frequências e número de assentos.

Os aeroportos regionais gaúchos e catarinenses estão operacionais e as principais companhias aéreas estão disponibilizando a venda de bilhetes para os novos voos. As principais ligações aéreas, nessa primeira fase, serão os aeroportos de Guarulhos, na Grande São Paulo, e Viracopos, em Campinas (SP), além do aeroporto Afonso Pena, em Curitiba.

O Ministério de Portos e Aeroportos explicou que a malha aérea emergencial amplia de sete mil para 13 mil os assentos semanais em voos para o Rio Grande do Sul e Santa Catarina. O volume representa uma fração do que o Aeroporto de Porto Alegre ofertava quando estava em funcionamento, transportando 100 mil passageiros por semana.

"Nós vamos avançar na aviação regional. Naturalmente, conforme a demanda da população, a gente vai ampliando o número de voos regionais, para que a sociedade brasileira, sobretudo o povo do sul, possa ter acesso aos voos que são tão importantes para o estado", afirmou o ministro Sílvio Costa Filho.

Canoas

Os voos comerciais para a Base Aérea de Canoas ainda não têm uma data definida para iniciar e provavelmente levarão alguns dias para serem estabelecidos. A coordenação de toda a operação ficará a cargo da Fraport, a concessionária responsável pela gestão do aeroporto de Porto Alegre.

"A Fraport assumiu a operação, está estruturando o aeroporto [de Canoas], o que vocês sabem que leva alguns dias. E a gente espera que a Fraport possa o quanto antes iniciar os cinco voos diários", explicou o ministro.

Esse processo de preparação inclui a organização logística, adaptação do terminal de passageiros, instalação de equipamentos de segurança, como os de raio-X, além da disponibilização de escadas para acesso às aeronaves e a gestão da segurança e logística das bagagens, entre outros serviços essenciais para a aviação civil.

A Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), que colaborou na elaboração do plano emergencial, afirmou que as principais companhias aéreas do país estão interessadas e comprometidas com a operação da nova malha aérea.

"Todas as empresas aéreas - Gol, Latam e Voepass - operam nessas seis bases [aeroportos regionais] que foram apresentadas, e têm interesse de operar, também, dentro da viabilidade operacional de segurança, na base área de Canoas, quando isso estiver regularizado para operação regular", afirmou Jurema Monteiro, presidente da entidade que representa as aéreas.

Malha emergencial

Veja como fica a malha aérea emergencial no Rio Grande do Sul e Santa Catarina:

  • Aeroporto de Caixas do Sul (RS): 25 voos semanais
  • Aeroporto de Santo Ângelo (RS): 2 voos semanais
  • Aeroporto de Passo Fundo (RS): 16 voos semanais
  • Aeroporto de Pelotas (RS): 5 voos semanais
  • Aeroporto de Santa Maria (RS): 2 voos semanais
  • Aeroporto de Uruguaiana (RS): 3 voos semanais
  • Base aérea de Canoas (RS): 35 voos semanais
  • Aeroporto de Florianópolis (SC): 21 voos semanais
  • Aeroporto de Jaguaruna (SC): 7 voos semanais
  • Aeroporto de Chapecó (SC): aumento de capacidade da aeronave

*Com informações da Agência Brasil

Acompanhe tudo sobre:Rio Grande do SulEnchentes no RSChuvasAeroportos

Mais de Brasil

Governo vai pedir votação de 'taxa das blusinhas' no Senado, diz líder

Lula visitará cidades arrasadas pela chuva no Vale do Taquari, no Rio Grande do Sul

Mais na Exame