Brasil

Raquel Dodge pede ao Supremo que barre apreensão de livros na Bienal

Decisão judicial permitiu, no fim de sábado, a apreensão das obras com a temática LGBT na Bienal do Livro no Rio de Janeiro

Raquel Dodge: petição de contracautela tem como objeto a decisão do presidente do Tribunal de Justiça do Estado (Leonardo Prado/Secom/PGR/Flickr)

Raquel Dodge: petição de contracautela tem como objeto a decisão do presidente do Tribunal de Justiça do Estado (Leonardo Prado/Secom/PGR/Flickr)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 8 de setembro de 2019 às 10h21.

Última atualização em 8 de setembro de 2019 às 10h25.

São Paulo - A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, requereu, na manhã deste domingo (8), a suspensão da decisão judicial que, no fim de sábado, permitiu a apreensão das obras com a temática LGBT na Bienal do Livro no Rio de Janeiro.

Encaminhada ao presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, a petição de contracautela tem como objeto a decisão do presidente do Tribunal de Justiça do Estado que suspendeu liminar concedida em mandado de segurança apresentado pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros e a empresa GL Events Exhibitions.

Os organizadores da Bienal reagiram à determinação do prefeito municipal e do secretário da Ordem Pública para que fossem recolhidas obras sobre o tema.

Acompanhe tudo sobre:CensuraIndústria de livrosLivrosRaquel DodgeRio de JaneiroSupremo Tribunal Federal (STF)

Mais de Brasil

Censo 2022: Brasil tem 106,8 milhões de endereços, um aumento de 19,5% em relação ao Censo anterior

Um em cada oito endereços do Brasil fica dentro de condomínios, indica Censo

Censo: quase um quarto dos endereços do Brasil não tem número; confira o ranking por estado

Dos 33 deputados favoráveis ao PL que equipara aborto a homicídio, 11 são mulheres

Mais na Exame