Acompanhe:

Quem é Nelson Teich, o novo ministro da Saúde, e o que ele defende

Médico oncologista já defendeu isolamento social em artigos e disse em primeiro pronunciamento que não haverá "decisão brusca" sobre o tema

Modo escuro

Continua após a publicidade
O novo ministro da Saúde, Nelson Teich, durante pronunciamento no Palácio do Planalto (Marcelo Casal/Agência Brasil)

O novo ministro da Saúde, Nelson Teich, durante pronunciamento no Palácio do Planalto (Marcelo Casal/Agência Brasil)

D
Da redação com Reuters e Estadão Conteúdo

Publicado em 16 de abril de 2020 às, 17h21.

Última atualização em 17 de abril de 2020 às, 10h13.

O médico Nelson Luiz Sperle Teich assumiu nesta quinta-feira (16) o cargo de ministro da Saúde do Brasil no lugar de Luiz Henrique Mandetta, demitido pelo presidente Jair Bolsonaro.

Teich terá o desafio de enfrentar a pandemia do novo coronavírus, que tem mais de 30 mil casos confirmados e 1.924 mortes no país.

Em declaração curta, pouco específica e sem abertura para perguntas no Palácio do Planalto, ele disse haver um "alinhamento completo" com Bolsonaro, que instantes antes o anunciara como novo ministro.

Teich também disse que era preciso "trabalhar dados e inteligência” e destacou a necessidade de testagem para "conhecer melhor a doença", assim como pesquisa com medicamentos e vacinas.

"Sobre distanciamento e isolamento. Não haverá qualquer definição brusca ou radical do que vai acontecer", disse.

"Saúde e economia: as duas coisas não competem entre si. Quando polariza começa a tratar pessoas versus dinheiro, o bem versus mal, emprego versus pessoas doentes", afirmou Teich.

Perfil

Teich é formado pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e se especializou em oncologia no Instituto Nacional de Câncer (Inca). Também é sócio da Teich Health Care, uma consultoria de serviços médicos, além de fundador do Instituto COI, que realiza pesquisas sobre câncer.

O novo ministro é próximo do secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos do Ministério da Saúde, Denizar Vianna, de quem foi sócio, e chegou a ser consultor da secretaria entre setembro e março deste ano. Eles foram sócios no Midi Instituto de Educação e Pesquisa, empresa fechada em fevereiro de 2019.

A escolha de Teich foi considerada internamente no governo como uma vitória do secretário de Comunicação da Presidência, Fabio Wajgarten, e do empresário bolsonarista Meyer Nigri, dono da Tecnisa. Os dois foram os principais apoiadores de seu nome para o cargo.

Teich teve o apoio da classe médica e contou a seu favor a boa relação com empresários do setor. O argumento pró-Teich foi de que ele trará dados para destravar debates "politizados" sobre a covid-19.

O médico já havia sido cogitado para o cargo ainda na transição do governo em 2018, quando estava sendo montado o ministério. O então presidente-eleito optou, no entanto, pelo ex-deputado Mandetta.

Posições

Em artigos publicados em sua página no LinkedIn nas últimas semanas, Teich defendeu medidas para conter a epidemia semelhantes às que o ministério está adotando atualmente, que são contrariadas por Bolsonaro e estão por trás da saída de Mandetta.

"A opção pelo isolamento horizontal, onde toda a população que não executa atividades essenciais precisa seguir medidas de distanciamento social, é a melhor estratégia no momento", escreveu em 02 de abril.

O médico também questionou a efetividade do "isolamento vertical", defendida por Bolsonaro, com restrições à circulação apenas do "grupo de risco", como aqueles acima de 60 anos ou com outras doenças.

"Essa estratégia também tem fragilidades e não representaria uma solução definitiva para o problema", escreveu Teich, destacando que "teríamos pessoas assintomáticas transmitindo a doença para as famílias, para as pessoas de alto risco que foram isoladas e ficaram em casa".

Teich fala ainda em um isolamento "inteligente", com testagem em massa e monitoramento de aglomerações, mesma posição defendida pelo vice-presidente Hamilton Mourão esta semana.

"Não me coloco aqui como alguém que defende um lado ou outro, na verdade é o oposto, não pode existir lado", escreveu ainda em março no texto "Covid-19: Histeria ou Sabedoria?".

Sem citar o nome dele, Mandetta comentou, em uma live com o Fórum de Inovação Saúde (FIS) nesta manhã, sobre "um dos nomes que está saindo aí" como cotado para substituí-lo.

"O Denizar conhece bem, eu também o conheci em Londres, é um pesquisador. Mas não conhece bem o SUS. Não tem problema, o Denizar ajuda. Ninguém precisa sair em solidariedade, não tem isso", disse.

Últimas Notícias

Ver mais
PF prende dono de sítio suspeito de ajudar fugitivos de presídio de Mossoró
Brasil

PF prende dono de sítio suspeito de ajudar fugitivos de presídio de Mossoró

Há 9 horas

Em primeiro voto no STF, Dino é a favor de vínculo empregatício entre Uber e motoristas
Brasil

Em primeiro voto no STF, Dino é a favor de vínculo empregatício entre Uber e motoristas

Há 9 horas

Mendonça autoriza empresas a renegociarem acordos de leniência fechados na Lava-Jato
Brasil

Mendonça autoriza empresas a renegociarem acordos de leniência fechados na Lava-Jato

Há 11 horas

Projeto de lei quer proibir que motorista de aplicativo cobre passageiro pelo uso do ar-condicionado
Brasil

Projeto de lei quer proibir que motorista de aplicativo cobre passageiro pelo uso do ar-condicionado

Há 12 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais