Brasil

PSDB da capital de SP declara apoio a Tarcísio: "Não tem em cima do muro"

O presidente do diretório municipal, Fernando Alfredo, defendeu que o discurso de Tarcísio "se assemelha muito com aquilo que o PSDB acredita para a cidade de São Paulo"

"Não tem em cima do muro. O nosso exército estará na rua para apoiar Tarcísio", disse o presidente do diretório (Amanda Perobelli/Reuters)

"Não tem em cima do muro. O nosso exército estará na rua para apoiar Tarcísio", disse o presidente do diretório (Amanda Perobelli/Reuters)

E
Estadão Conteúdo

25 de outubro de 2022, 17h29

O diretório municipal do PSDB em São Paulo formalizou apoio ao candidato do Republicanos, Tarcísio de Freitas, na disputa pelo governo do estado nesta terça-feira, 25. O embarque chega em meio a manifestações conflitantes de membros da executiva estadual da legenda, que se dividiu entre o endosso a Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL) na eleição nacional.

O presidente do diretório municipal, Fernando Alfredo, defendeu que o discurso de Tarcísio "se assemelha muito com aquilo que o PSDB acredita para a cidade de São Paulo". "Não tem em cima do muro", disse. "O nosso exército estará na rua para apoiar Tarcísio". A legenda municipal ainda não definiu quem vai endossar no plano nacional. Segundo Alfredo, o anúncio será feito na quarta-feira.

Quer saber tudo sobre a corrida eleitoral? Assine a EXAME por menos de R$ 0,37/dia e fique por dentro

Sobre troca de apoio por cargos, Tarcísio voltou a pontuar que a aliança é programática e que não abre mão de algumas indicações a posições em um eventual governo. Ele disse, porém, que vai buscar nas alianças, como a dos tucanos, quadros que sejam "técnicos" e tenham "reputação ilibada".

No evento, integrantes do PSDB colaram a imagem do ex-prefeito tucano Bruno Covas, morto em maio de 2021, na de Tarcísio. O ex-prefeito foi citado diversas vezes durante a coletiva de imprensa. O candidato do Republicanos argumentou que teve contato com Covas em dois momentos quando era ministro da Infraestrutura e que pretende manter seu legado no estado. Ao final do encontro, foi presenteado com uma foto do tucano.

Questionado sobre as críticas ao endosso do PSDB ao bolsonarismo Tarcísio disse que seu projeto de governo é mais alinhado com os tucanos que o do PT. "Você acha que eles vão deixar o legado do Mário Covas e do Bruno Covas morrer? O que é apoiar o bolsonarismo? O que eu estou pregando: a livre iniciativa, um Estado mais competitivo, eficiência, capacitação profissional. (...) Isso está mais alinhado com a história do PSDB ou não?", disse.

O prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando, disse que a legenda "não mudou de lado" ao apoiar o candidato ligado a Jair Bolsonaro e que uma aliança ao PT causaria "uma profunda estranheza".

Divisão

Notas controversas divulgadas pelo partido, porém, refletem o tensionamento que existe hoje na executiva estadual do partido. Na segunda-feira, 24, o diretório paulista divulgou um texto informando que a maioria do partido apoiou a candidatura de Lula.

O presidente estadual do partido, Marco Vinholi, porém, negou a existência de um apoio oficial. O desencontro de informações causou mal-estar na cúpula do partido já que a informação desautorizou o governador Rodrigo Garcia. Por pressão de prefeitos, o partido acabou não oficializando o apoio a Lula e o diretório decidiu liberar os filiados.

Outra nota oficial do partido, divulgada nesta terça-feira, 25, defendeu que "o presidente Jair Bolsonaro é o candidato de preferência da grande maioria dos prefeitos do PSDB". O partido estima que pelo menos 80% dos prefeitos estejam em campanha por Bolsonaro. A avaliação de aliados é que o governador perdeu controle sobre o diretório e não conseguiu fazer com que o partido no estado declarasse apoio a Bolsonaro, função que restou delegada aos prefeitos.

LEIA TAMBÉM: