Brasil

Preso, Garotinho diz ser vítima de "perseguição"

Ex-governador afirma que vem sendo vitima de perseguições desde que denunciou o esquema de Sérgio Cabral na Assembleia Legislativa do Rio

Anthony Garotinho: em nota, ex-governador sustenta que "nem ele nem nenhum dos acusados cometeu crime" (Inácio Teixeira/PR/Agência Brasil)

Anthony Garotinho: em nota, ex-governador sustenta que "nem ele nem nenhum dos acusados cometeu crime" (Inácio Teixeira/PR/Agência Brasil)

AB

Agência Brasil

Publicado em 22 de novembro de 2017 às 11h05.

Última atualização em 22 de novembro de 2017 às 11h32.

Em nota distribuída hoje (22) por sua assessoria de imprensa, o ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, atribui a sua prisão e a de sua mulher, a ex-governadora Rosinha Garotinho, a uma perseguição que, explica, vem sendo vitima desde que denunciou o esquema do ex-governador Sérgio Cabral na Assembleia Legislativa do Rio.

Com o título "Querem Calar o Garotinho mais uma vez", a nota destaca que quem assinou o pedido de prisão foi o juiz Glaucenir de Oliveira, "o mesmo que decretou a primeira prisão de Garotinho no ano passado, logo após ele ter denunciado [o desembargador] Luiz Zveiter à Procuradoria Geral da República".

Garotinho sustenta, ainda, que "nem ele nem nenhum dos acusados cometeu crime" e, conforme disse ontem em um programa, foi alertado por um agente penitenciário a respeito de uma reunião entre Sergio Cabral e o deputado estadual Jorge Picciani, presidente da Assembléia Legislativa do Rio, durante a primeira prisão do parlamentar, semana passada, no presídio de Benfica. "Na ocasião, o presidente da Alerj [Picciani] teria afirmado que iria dar um tiro na cara do Garotinho", diz a nota.

Ela ressalta que a ordem de prisão dada pelo juiz Glaucenir é para que Garotinho vá com a esposa, Rosinha, para o presídio de Benfica, "justamente onde estão os presos da Lava Jato".

No comunicado distribuído à imprensa, a assessoria do ex-governador frisa que "essa operação à qual Garotinho e Rosinha respondem não tem relação alguma com a Lava Jato".

Acompanhe tudo sobre:Anthony GarotinhoPrisõesRio de Janeiro

Mais de Brasil

Câmara aprova a Lei Taylor Swift, que criminaliza cambismo digital

CCJ do Senado aprova projeto que prorroga por 10 anos as cotas para negros em concurso

Pacheco adia sessão sobre vetos, governo evita derrotas, e Lira demonstra insatisfação

Rio registra queda de 25% das mortes violentas no primeiro trimestre

Mais na Exame