Brasil

Preço do Etanol cai em 13 Estados e no DF, sobe em 9 e fica estável em 4, diz ANP

Preço médio do combustível subiu 1,18%, de R$ 3,39 o litro na semana anterior para R$ 3,43 o litro

Etanol: em São Paulo, a cotação média caiu 0,91%, de R$ 3,29 para R$ 3,26 (Buda Mendes/Getty Images)

Etanol: em São Paulo, a cotação média caiu 0,91%, de R$ 3,29 para R$ 3,26 (Buda Mendes/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 15 de janeiro de 2024 às 09h31.

Última atualização em 15 de janeiro de 2024 às 09h35.

Os preços médios do etanol hidratado caíram em 13 Estados e no Distrito Federal (DF), subiram em outros 9 e ficaram estáveis em 4, na semana encerrada no sábado, 13.

O levantamento é da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) compilado pelo AE-Taxas. Nos postos pesquisados pela ANP em todo o País, o preço médio do etanol subiu 1,18%, de R$ 3,39 o litro na semana anterior para R$ 3,43 o litro.

Em São Paulo, principal Estado produtor, consumidor e com mais postos avaliados, a cotação média caiu 0,91%, de R$ 3,29 para R$ 3,26. A maior queda porcentual na semana, de 3,66%, foi registrada no Distrito Federal, onde o litro passou de R$ 3,55 para R$ 3,42. A maior alta porcentual ocorreu em Goiás, de 19 76%, com o litro subindo de R$ 3,04 para R$ 3,64.

O preço mínimo registrado na semana para o etanol em um posto foi de R$ 2,69 o litro, em São Paulo. O maior preço, de R$ 6,60, foi registrado no Pará. Já o menor preço médio estadual, de R$ 3 03, foi observado em Mato Grosso, enquanto o maior preço médio foi registrado no Amapá, de R$ 5,34 o litro.

Na comparação mensal, o preço médio do biocombustível no País caiu 2,28%. A maior alta no período, de 6,74%, foi registrada em Goiás. A maior queda no mês foi observada em Mato Grosso, de 5 61%.

Competitividade

O etanol estava mais competitivo em relação à gasolina em 12 Estados: Acre, Alagoas, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo e Tocantins, além do Distrito Federal, na semana encerrada no sábado, 13. No restante dos Estados, continua mais vantajoso abastecer o carro com gasolina.

Conforme levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) compilado pelo AE-Taxas, no período, a média dos postos pesquisados no País o etanol tinha paridade de 61,74% ante a gasolina, portanto favorável em comparação com o derivado do petróleo.

A paridade estava em 69,97% no Acre, 67,76% em Alagoas, 64,54% em Goiás; 54,40% em Mato Grosso; 60,60% em Mato Grosso do Sul; 62,06% em Minas Gerais; 68,07% na Paraíba; 63,89% no Paraná; 69 89% em Pernambuco; 69,18% no Rio de Janeiro, 59,60% em São Paulo e 69,88% no Tocantins. No Distrito Federal, estava em 65,02%.

Executivos do setor observam que o etanol pode ser competitivo mesmo com paridade maior do que 70%, a depender do veículo em que o biocombustível é utilizado.

Acompanhe tudo sobre:EtanolCombustíveis

Mais de Brasil

Recife: famílias são indenizadas em R$ 120 mil por prédios-caixão

Governo Tarcísio assina decreto que autoriza licitação de loteria estadual

Governo do Rio decreta fim da epidemia de dengue

STF mantém decisão que condenou Deltan a indenizar Lula em R$ 75 mil por power point

Mais na Exame