Acompanhe:

Políticos reagem à revelação de documentos sobre Geisel pela CIA

A agência americana divulgou nesta quinta-feira, que o ex-presidente do regime militar autorizou a política de "execução sumária" de opositores

Modo escuro

Continua após a publicidade
Geisel: a informação consta em memorando escrito por William Colby, diretor da Agência Central de Inteligência (CIA) (Getty Images/Getty Images)

Geisel: a informação consta em memorando escrito por William Colby, diretor da Agência Central de Inteligência (CIA) (Getty Images/Getty Images)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 11 de maio de 2018 às, 10h56.

São Paulo - Após a divulgação da informação de que o ex-presidente Ernesto Geisel (1974-1979) autorizou a política de "execução sumária" de opositores do regime militar, vigente no governo anterior, diversos políticos criticaram a atitude do então presidente militar. A informação consta em memorando escrito por William Colby, diretor da Agência Central de Inteligência (CIA).

O documento relata que, quando chegou ao cargo, Geisel foi informado de que 104 pessoas haviam sido mortas em 1973 pelo governo de Emílio Garrastazu Médici (1969-1974). O Centro de Informações do Exército (CIE), órgão responsável pela política de assassinatos de adversários políticos do regime, pedia autorização do general para manter a política.

Geisel autorizou, então, que o método ocorresse em "casos excepcionais" e com aval do Palácio do Planalto, mediante consulta ao diretor do Serviço Nacional de Informações (SNI), general João Baptista Figueiredo.

A pré-candidata do PcdoB ao Planalto, Manuela D'Ávila, afirmou que os documentos revelados perturbam todos que têm "uma história de luta pela memória e a verdade dos tenebrosos anos da ditadura militar". "As provas de que a cúpula do regime, Médici, Geisel, Figueiredo, estiveram diretamente envolvidos nos assassinatos dos 'subversivos' que ousaram desafiar o regime é uma verdade grande demais para seguir encoberta", escreveu.

"Precisamos insistir na busca da verdade e do paradeiro daqueles que foram torturados, mortos e desaparecidos com a autorização e a cumplicidade do Palácio do Planalto".

O ex-senador e hoje vereador em São Paulo Eduardo Suplicy (PT) disse que a revelação comprova o quanto os militares descumpriram a Constituição e as normas de direitos humanos. "É da maior gravidade a revelação de que, em reunião no dia 30 de março de 1974, o presidente Ernesto Geisel tenha compactuado com assassinatos praticados pelo Estado.

A deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) escreveu que, com a divulgação, a ideia de que Geisel havia sido "estadista" fica fragilizada. "Caiu a burrice de que a ditadura foi nacionalista. Golpistas civis e militares de 1964 serviram aos EUA. E agora, a quem servem os golpistas?", questionou.

Exército

Por meio de nota, o Centro de Comunicação Social do Exército informou que "os documentos sigilosos, relativos ao período em questão e que eventualmente pudessem comprovar a veracidade dos fatos narrados foram destruídos, de acordo com as normas existentes à época". Procurado, o Palácio do Planalto informou que não vai comentar o caso.

Últimas Notícias

Ver mais
Funeral de Navalny acontecerá na sexta-feira em Moscou
Mundo

Funeral de Navalny acontecerá na sexta-feira em Moscou

Há 5 dias

Justiça russa começa a condenar à prisão pessoas detidas nos atos em memória a Navalny
Mundo

Justiça russa começa a condenar à prisão pessoas detidas nos atos em memória a Navalny

Há 2 semanas

Viúva de Navalny vai se reunir com chanceleres da União Europeia nesta segunda, 19
Mundo

Viúva de Navalny vai se reunir com chanceleres da União Europeia nesta segunda, 19

Há 2 semanas

Rússia mantém silêncio sobre morte do opositor Navalny e rejeita críticas ocidentais
Mundo

Rússia mantém silêncio sobre morte do opositor Navalny e rejeita críticas ocidentais

Há 2 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais