Brasil

PGR denuncia Carla Zambelli e hacker por participação em invasão ao sistema do CNJ

Deputada e Walter Delgatti foram indiciados pela PF por falsidade ideológica e invasão de dispositivo informático

Carla Zambelli: PGR denuncia deputada sobre invação no sistema do CNJ (Evaristo Sá/Getty Images)

Carla Zambelli: PGR denuncia deputada sobre invação no sistema do CNJ (Evaristo Sá/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 23 de abril de 2024 às 11h09.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou a deputada federal Carla Zambelli (PL-SP) e o hacker Walter Delgatti Neto pela invasão do sistema do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), registrada em 4 de janeiro de 2023, para a inserção de dados falsos.

Em fevereiro, a Polícia Federal concluiu o inquérito e indiciou Zambelli e Delgatti pelos crimes de invasão de dispositivo informático e falsidade ideológica. Com isso, o caso foi encaminhado à PGR, que precisava decidir se apresentaria a denúncia ao Supremo Tribunal Federal (STF) ou se pediria o arquivamento das investigações.

Em janeiro de 2023, Delgatti acessou o sistema do CNJ e inseriu dados falsos, como um mandado de prisão contra o ministro Alexandre de Moraes. Preso no início de agosto, Delgatti confessou a invasão, disse que fez a pedido de Zambelli e que teria recebido R$ 40 mil pelos serviços.

Em agosto de 2023, Zambelli foi alvo de busca e apreensão em seu apartamento funcional e em seu gabinete, no Congresso Nacional. Foram cumpridos ainda mandados contra alguns de seus assessores e um de prisão preventiva contra Delgatti Netto.

Ao prestar depoimento, o hacker disse que Zambelli pediu que ele invadisse as contas de e-mail e o telefone de Moraes. A solicitação teria sido feita durante um encontro na Rodovia dos Bandeirantes, na capital paulista, em setembro de 2022.

Acompanhe tudo sobre:PGR - Procuradoria-Geral da República

Mais de Brasil

Pesquisa encontra agrotóxicos em alimentos ultraprocessados com apelo ao público infantil

STF cria marco civilizatório ao proibir exposição de vida sexual de vítima, dizem advogados

Seguradoras irão pagar, no mínimo, R$ 1,6 bilhão em indenizações no Rio Grande do Sul

Governo libera verba extra de R$ 22 milhões para as universidades do RS

Mais na Exame