Brasil

PF vai apurar denúncia de oferta de propina de Garotinho a juiz

Ex-governador e seu filho são suspeitos de propinas de R$ 1,5 milhão e R$ 5 milhões para influenciar decisões do juiz eleitoral Glaucenir Silva de Oliveira

Anthony Garotinho: Ex-governador e seu filho são suspeitos de propinas de R$ 1,5 milhão e R$ 5 milhões para influenciar decisões do juiz eleitoral (Gustavo Lima / Câmara dos Deputados)

Anthony Garotinho: Ex-governador e seu filho são suspeitos de propinas de R$ 1,5 milhão e R$ 5 milhões para influenciar decisões do juiz eleitoral (Gustavo Lima / Câmara dos Deputados)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 19 de novembro de 2016 às 14h48.

Última atualização em 12 de maio de 2017 às 16h54.

Por Clarissa Thomé

Rio - A Polícia Federal vai apurar a denúncia de que o ex-governador Anthony Garotinho e seu filho Wladimir Matheus ofereceram propinas de R$ 1,5 milhão e R$ 5 milhões para influenciar decisões do juiz eleitoral Glaucenir Silva de Oliveira, da 100ª Zona Eleitoral de Campos dos Goytacazes, que decretou a prisão preventiva do ex-governador na Operação Chequinho. O pedido de instauração de inquérito partiu da Procuradoria Regional Eleitoral. Ele pede a investigação da denúncia de que pai e filho teriam oferecido, "por intermédio de terceiros, 'quantias milionárias' a pessoas conhecidas pelo juiz" a fim de obter decisões favoráveis e evitar a prisão de ambos.

O procurador regional eleitoral Sidney Madruga encaminhou ofício à PF na noite de sexta-feira (18). Ele ressaltou a gravidade dos fatos apontados, "que configurariam caso explícito de corrupção".

"Os fatos serão apurados, em caráter urgente, pelo Ministério Público e Polícia Federal, pois a situação retratada pelo magistrado é extremamente grave", diz o procurador regional eleitoral Sidney Madruga. Segundo ele, as duas ofertas relatadas pelo juiz foram de entrega de propinas de R$ 1,5 milhão e R$ 5 milhões.

O procurador também expediu ofícios em caráter de urgência ao MP Estadual e para o Tribunal Regional Eleitoral (TRE/RJ), em que pede que a promotoria em Campos dos Goytacazes, no norte fluminense, "tome as medidas necessárias para reprimir possíveis ilícitos criminais e eleitorais cometidos por pai e filho". A defesa de Garotinho não foi encontrada pelo Estado na manhã deste sábado (19).

Garotinho está internado no Hospital Quinta D'Or, depois de ter passado um noite em hospital penitenciário por decisão do juiz Glaucenir Oliveira. No início da madrugada deste sábado, foi transferido do Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na zona oeste da capital, para um hospital particular da zona norte da cidade, onde será submetido a exames. A transferência foi determinada ontem (18) pela ministra do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Luciana Lóssio.

Acompanhe tudo sobre:Anthony GarotinhoCorrupçãoPolíticaRio de Janeiro

Mais de Brasil

Câmara aprova a Lei Taylor Swift, que criminaliza cambismo digital

CCJ do Senado aprova projeto que prorroga por 10 anos as cotas para negros em concurso

Pacheco adia sessão sobre vetos, governo evita derrotas, e Lira demonstra insatisfação

Rio registra queda de 25% das mortes violentas no primeiro trimestre

Mais na Exame