Acompanhe:

PF indicia Carla Zambelli e hacker da Lava Jato por invasão ao sistema do CNJ

O relatório final da Polícia Federal afirma que documentos apreendidos com a deputada correspondem, integral ou parcialmente, aos arquivos inseridos pelo hacker no sistema do CNJ

Modo escuro

Continua após a publicidade
As únicas mensagens encontradas entre Carla Zambelli e Walter Delgatti são sobre Moraes (Zeca Ribeiro/Agência Câmara)

As únicas mensagens encontradas entre Carla Zambelli e Walter Delgatti são sobre Moraes (Zeca Ribeiro/Agência Câmara)

A Polícia Federal (PF) concluiu a investigação sobre a invasão dos sistemas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) com o indiciamento da deputada Carla Zambelli (PL-SP) e do hacker Walter Delgatti. Eles podem responder pelos crimes de invasão de dispositivo informático e falsidade ideológica.

O relatório final da Polícia Federal afirma que documentos apreendidos com a deputada correspondem, integral ou parcialmente, aos arquivos inseridos pelo hacker no sistema do CNJ, o que para os investigadores comprova que ela participou do ataque.

O advogado Daniel Bialski, que defende a deputada, reiterou em nota que ela jamais pediu a invasão dos sistemas do Conselho Nacional de Justiça.

"A arbitrária interpretação deduzida pela autoridade policial asseverando que a deputada tenha recebido eventualmente documentos não evidencia adesão ou qualquer tipo de colaboração, ainda mais que ficou demonstrado que não houve qualquer encaminhamento a terceiros, bem como ficou igualmente comprovado que inocorreram repasses de valores", afirma o criminalista.

O advogado Ariovaldo Moreira, que representa Walter Delgatti, afirmou que o indiciamento era esperado, já que ele confessou a participação no episódio. "O indiciamento de Carla Zambelli confirma que Walter, a todo momento, colaborou com a justiça, levando a PF até a mandante e financiadora dos atos perpetrados por ele."

Entre os documentos mencionados pela Polícia Federal, está o mandado de prisão falso contra Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), e um recibo de bloqueio de R$ 22,9 milhões em bens do ministro. O valor corresponde à multa imposta por Moraes ao PL por questionar as urnas eletrônicas nas eleições de 2022. Havia ainda uma ordem, também falsa, para quebrar o sigilo bancário do ministro.

A PF concluiu que o ataque foi planejado para colocar em dúvida a credibilidade do Poder Judiciário. Com o fim do inquérito, cabe à Procuradoria-Geral da República (PGR) dizer se vê ou não elementos para oferecer denúncia.

As únicas mensagens encontradas entre Carla Zambelli e Walter Delgatti são sobre Moraes. A deputada enviou dois áudios pedindo o endereço do ministro. Ela alega que sua mãe queria enviar uma carta ao magistrado.

Walter Delgatti narrou à Polícia Federal que recebeu cerca de R$ 40 mil para tentar invadir os sistemas do Judiciário. Ele entregou comprovantes de transferências, que somaram R$ 10,5 mil feitas por um ex-assessor da deputada. O restante, segundo o relato, teria sido entregue em espécie, em São Paulo. Os investigadores desmontaram parte do depoimento. A PF concluiu que os pagamentos foram para comprar garrafas de uísque. Por isso, o hacker também foi indiciado por denunciação caluniosa. Ele está preso preventivamente.

COM A PALAVRA, O CRIMINALISTA DANIEL BIALSKI, QUE REPRESENTA CARLA ZAMBELLI

A defesa da deputada Carla Zambelli conquanto ainda não tenha analisado minuciosamente os novos documentos e o relatório ofertado pela Polícia Federal, reforça que ela jamais fez qualquer tipo de pedido para que Walter Delgatti procedesse invasões à sistemas ou praticasse qualquer ilicitude. Aliás, a arbitrária interpretação deduzida pela autoridade policial asseverando que a deputada tenha recebido eventualmente documentos não evidencia adesão ou qualquer tipo de colaboração, ainda mais que ficou demonstrado que não houve qualquer encaminhamento a terceiros, bem como ficou igualmente comprovado que inocorreram repasses de valores como aleivosamente sugestionado por aquele. Novamente a deputada reafirma que não cometeu qualquer conduta ilícita e/ou imoral e exercerá, se necessário, seu amplo direito de defesa para comprovar sua inocência. O uso abusivo de suposições e probabilidades não são elementos induvidosos a pretender sustentar as suspeitas levantadas.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO ARIOVALDO MOREIRA, QUE REPRESENTA WALTER DELGATTI

A defesa não se surpreende com o indiciamento do Walter Delgatti pois desde sua prisão, Walter confessa sua participação na invasão da plataforma do CNJ.

O indiciamento de Carla Zambelli confirma que Walter, a todo momento, colaborou com a justiça, levando a PF até a mandante e financiadora dos atos perpetrados por ele.

No mais, a defesa pretende reiterar o requerimento que tem como objetivo a liberdade de Walter, ausente motivo para manutenção da custodia cautelar, uma vez encerrada a investigação.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Crise na articulação, greve dos servidores, pauta bomba e risco fiscal: desafios do governo crescem
Economia

Crise na articulação, greve dos servidores, pauta bomba e risco fiscal: desafios do governo crescem

Há 22 horas

Técnicos da Câmara preveem déficit zero das contas públicas apenas em 2028
Economia

Técnicos da Câmara preveem déficit zero das contas públicas apenas em 2028

Há um dia

Governo tenta barrar PEC que aumenta ganhos de juízes e promotores
Brasil

Governo tenta barrar PEC que aumenta ganhos de juízes e promotores

Há um dia

Senado aprova isenção de IR para quem ganha até dois salários mínimos; veja o que muda
Economia

Senado aprova isenção de IR para quem ganha até dois salários mínimos; veja o que muda

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais