Acompanhe:

Partido de Bolsonaro acena com o acordo para PT e revezamento na principal comissão da Câmara

Negociação envolve o PL ceder a CCJ a petistas um ano e ficar com a vice-presidência da Casa

Modo escuro

Continua após a publicidade
Presidente Jair Bolsonaro, em Nova Yorque saindo do hotel para a Assembleia geral da ONU - Nova Iorque - New Yorque - USA - apoiadores - brasileiros - comitiva - bolsonaristas

Foto: Leandro Fonseca
data: setembro 2022 (Leandro Fonseca/Exame)

Presidente Jair Bolsonaro, em Nova Yorque saindo do hotel para a Assembleia geral da ONU - Nova Iorque - New Yorque - USA - apoiadores - brasileiros - comitiva - bolsonaristas Foto: Leandro Fonseca data: setembro 2022 (Leandro Fonseca/Exame)

A
Agência O Globo

Publicado em 1 de dezembro de 2022 às, 07h54.

O PL, sigla do presidente Jair Bolsonaro, e o PT, de Luiz Inácio Lula da Silva, deram início à disputa para formar o maior bloco partidário da Câmara dos Deputados, a quem é garantida a preferência para ocupar as cadeiras mais importantes da Casa. A legenda do atual titular do Palácio do Planalto trabalha para esvaziar as articulações da sigla adversária e, com isso, dificultar a governabilidade do futuro chefe do Executivo.

Os dois partidos que encabeçam a polarização política que divide o país, entretanto, estão do mesmo lado na corrida pela presidência da Câmara. Ambos apoiam a reeleição de Arthur Lira (PP-AL). Nesse cenário, um grupo de deputados do PL ensaia nos bastidores a disposição de firmar um acordo com o PT, o que seria impensável alguns meses atrás.

Assine a EXAME por menos de R$ 0,37/dia e acesse as notícias mais importantes do Brasil em tempo real.

As duas siglas querem presidir a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), a mais importante da Casa, a partir do ano que vem. Na tentativa de evitar uma disputa em que podem sair perdendo, alguns correligionários de Bolsonaro acenam com a possibilidade de integrar o mesmo bloco partidário do PT e oferecer um revezamento no comando da CCJ. Por esse plano, os petistas teriam o direito de presidir o colegiado por um ano da próxima legislatura. Nos seguintes, a cadeira voltaria para o controle do PL.

A bancada do PL só aceitaria conversar com a garantia de ocupar a vice-presidência da Câmara e a CCJ por dois anos. Os petistas já disseram expressamente que não aceitam esse caminho.

O plano do PT é arregimentar partidos de centro e esquerda para formar o bloco majoritário, sem a participação do PL. Como parte dessa estratégia, a bancada da legenda declarou apoio à reeleição de Lira, um dos caciques do PP, sigla do centrão fiel a Bolsonaro nos últimos quatro anos. A disputa pela presidência da Casa ocorrerá em fevereiro do ano que vem.

Em troca do movimento, integrantes do PT querem o compromisso de Lira de que ele não vai atrapalhar as articulações do partido com vistas a formar o maior bloco da Casa. Alguns petistas têm a expectativa de que, a depender do cenário, o presidente da Casa possa ajudar a legenda nos bastidores, sem se expor.

O PL, porém, entende que essa "vista grossa" seria um descumprimento do acordo que tem com Lira. Alegam que o presidente da Câmara se comprometeu, na realidade, a brigar para manter a CCJ com o partido.

Questionado sobre qual é a possibilidade de Lira atuar para impedir o PT de formar o bloco majoritário, o deputado petista José Guimarães (CE) afirma que o presidente da Câmara não vai trabalhar contra o futuro governo.

— O Lira tem compromisso de ajudar o Lula. De ajudar a governabilidade — diz.

Ao início de cada legislatura, os partidos se unem em blocos. Isso não os obriga a votar juntos e serve apenas como critério para a partilha de cargos. Por ora, as chances de as duas legendas firmarem um acordo é muito pequena. Além disso, ambas cobram postura leal por parte de Lira. O plano A dos petistas é formar um outro bloco, com partidos de esquerda e centro, sem a legenda de Bolsonaro.

Nomes do PL afirmaram ao GLOBO reservadamente que, se não houver um acordo com os correligionários de Lula, Lira será cobrado a impedir que o PT forme o bloco mais numeroso. Nesse cenário, na prática, não admitirão a "vista grossa" do aliado.

A partir de 2023, o PL terá 99 deputados, a maior bancada da Casa, mas dependerá de sua capacidade de articulação para arregimentar outras siglas capazes de formar o bloco mais numeroso.

No PT, porém, as conversas com o PL estão estagnadas. O partido de Lula quer primeiro negociar a formação do bloco de governo para, depois, debater espaços na Mesa Diretora e comissões da Casa.

— É cedo para definir isso agora — diz Reginaldo Lopes (MG), líder do PT na Câmara.

O PT precisa saber o tamanho de seu "bloco de governo" para medir sua força nas negociações. No momento, portanto, a prioridade é saber quais partidos querem se unir ao governo. Como trunfo, a legenda de Lula pode oferecer espaços na Esplanada dos Ministérios.

Reginaldo Lopes prevê reunir ao menos mais 14 siglas no bloco, segundo anúncio feito nesta terça-feira. Além do próprio PT e partidos que formam a federação com a legenda — PV e PCdoB —, ele cita PSB, União Brasil, PSD, MDB, Avante, Rede, PSOL, Solidariedade, PROS, PSD, Cidadania e Podemos.

LEIA TAMBÉM:

 

Últimas Notícias

Ver mais
Lula afirma que o Brasil voltará a vender 3,8 milhões de carros por ano
Economia

Lula afirma que o Brasil voltará a vender 3,8 milhões de carros por ano

Há 3 horas

Lula receberá pedido do presidente da Colômbia para vender derivados da maconha ao Brasil
Brasil

Lula receberá pedido do presidente da Colômbia para vender derivados da maconha ao Brasil

Há 4 horas

Com exportação para China, JBS investe R$ 150 milhões e duplica capacidade em frigorífico no MS
EXAME Agro

Com exportação para China, JBS investe R$ 150 milhões e duplica capacidade em frigorífico no MS

Há 6 horas

Comissão de especialistas da AGU estudará revisão de decreto sobre reforma administrativa
Brasil

Comissão de especialistas da AGU estudará revisão de decreto sobre reforma administrativa

Há 7 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais