Acompanhe:

Para Bolsonaro, chegou a hora de encontrar os partidos

Após a formação da equipe ministerial, presidente eleito deve dedicar os próximos dias para reuniões com as principais legendas de Congresso

Modo escuro

Continua após a publicidade
Presidente eleito Jair Bolsonaro
13/11/2018
REUTERS/Adriano Machado (Adriano Machado/ Reuters/Reuters)

Presidente eleito Jair Bolsonaro 13/11/2018 REUTERS/Adriano Machado (Adriano Machado/ Reuters/Reuters)

D
Da Redação

Publicado em 3 de dezembro de 2018 às, 07h11.

Com a equipe ministerial praticamente decidida, o mês de dezembro deve ser marcado, na transição, pela costura do apoio no Congresso. Depois de acompanhar o título brasileiro de seu time, o Palmeiras, no domingo em São Paulo, o presidente eleito Jair Bolsonaro embarca na manhã desta terça-feira a Brasília para uma agenda com foco nos partidos.

Será a primeira vez que o futuro presidente se debruçará na atenção às legendas e não às bancadas, foco da formação de sua equipe de governo. Segundo afirmou reiteradas vezes, ele pretende reformar a estratégia de negociação com o Congresso pautando seu relacionamento em grupos de interesse como o de evangélicos, ruralistas e o da segurança.

Ainda assim, o presidente e a equipe de transição receberão, a partir de amanhã, líderes de partidos políticos para tratar da governabilidade. Na terça-feira, as conversas serão com PMDB e PRB; na quarta, com PR e PSDB. São partidos que podem ou não vir a fechar aliança formal ao futuro governo. Deputados do PSL, a legenda do presidente, também devem passar a receber maior atenção. Os partidos também podem ser ouvidos sobre nomes para o segundo escalão, segundo a Globonews.

As negociações com o Congresso deverão ficar a cargo do general Carlos Alberto dos Santos Cruz, futuro ministro da Secretaria de Governo. Com um militar, Bolsonaro espera conter o toma-lá-dá-cá que marcou as relações dos últimos governos com o Congresso. Mas, segundo disse a VEJA o cientista político Sérgio Praça, da FGV, arrisca enfrentar "uma bagunça" na articulação política.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, só três das 15 maiores legendas da Câmara devem integrar oficialmente a base do futuro governo, totalizando 91 deputados de um total de 513. Bolsonaro e sua equipe também devem ser decisivos nas negociações para a presidência das casas e para o controle das 25 comissões permanentes no Congresso. Segundo a mesma Folha, partidos do Centrão se organizam para isolar as duas maiores legendas, o PSL de Bolsonaro e o PT. Por tradição, eles seriam favoritos aos cargos mais relevantes. Mas se o jogo mudou, todos tentam fazer com que seja a seu favor.

Últimas Notícias

Ver mais
Cid presta novo depoimento à PF sobre áudios com críticas a Moraes
Brasil

Cid presta novo depoimento à PF sobre áudios com críticas a Moraes

Há 5 dias

Ida de Bolsonaro à Embaixada da Hungria não configurou busca por asilo político, avalia PGR
Brasil

Ida de Bolsonaro à Embaixada da Hungria não configurou busca por asilo político, avalia PGR

Há 6 dias

Lula toma vacina da gripe e diz que, com imunização, população 'não vira jacaré'
Brasil

Lula toma vacina da gripe e diz que, com imunização, população 'não vira jacaré'

Há uma semana

Bolsonaro reclama de multa do Ibama após conclusão do caso da baleia na PF
Brasil

Bolsonaro reclama de multa do Ibama após conclusão do caso da baleia na PF

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais