Acompanhe:

Pacheco se opõe a Lira e diz ser contra PEC que proíbe operações no Congresso

Presidente do Senado afirmou que proposta "dificilmente" avança no Congresso e que pode ter "vício de constitucionalidade"

Modo escuro

Continua após a publicidade
senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG)
Mesa: 
senador Eduardo Braga (MDB-AM);
presidente do Senado Federal, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG); 
secretário-geral da Mesa do Senado Federal, Gustavo A. Sabóia Vieira. 

Foto: Jonas Pereira /Agência Senado (Jonas Pereira /Agência Senado/Flickr)

senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG) Mesa: senador Eduardo Braga (MDB-AM); presidente do Senado Federal, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG); secretário-geral da Mesa do Senado Federal, Gustavo A. Sabóia Vieira. Foto: Jonas Pereira /Agência Senado (Jonas Pereira /Agência Senado/Flickr)

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), se manifestou contra a elaboração de uma proposta que proíba operações de busca e apreensão contra parlamentares dentro das dependências do Congresso. De acordo com o chefe do Senado, a ideia, que é discutida na Câmara, "não é razoável".

"Não é razoável pensarmos a proibição de medidas cautelares contra qualquer tipo de seguimento ou qualquer tipo de autoridade pública. Isso é um meio de investigação dado ao direito de quem investiga poder coletar provas", disse Pacheco após sessão do Senado nesta quarta-feira.

"Obviamente isso tem que ter critério, forma, é preciso ter equilíbrio nesse trato, mas uma proposta que extingue essa possibilidade eu acho muito difícil de avançar, especialmente por algum vício de constitucionalidade", completou.

Segurança

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e líderes da Casa Legislativa, estudam apresentar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que limita o acesso de forças de segurança às dependências no Congresso.

A articulação é uma reação após os deputados bolsonaristas Carlos Jordy (PL-RJ) e Alexandre Ramagem (PL-RJ) serem alvos de operações da Polícia Federal. Jordy é suspeito de participar de atos antidemocráticos e Ramagem é alvo de um investigações que apuram monitoramentos feitos pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Pacheco também se manifestou sobre a PEC que estabelece mandatos para ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e reforçou ser a favor da iniciativa, que se encontra em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

"É prioridade. O presidente (da CCJ) Davi (Alcolumbre) deve designar a relatoria para poder ter esse debate. Eu continuo a entender que é um tema muito relevante para a sociedade brasileira, sobretudo para o Poder Judiciário, o próprio Supremo Tribunal Federal", disse.

Afirmando não se tratar de nenhum caso específico, o chefe da Casa Legislativa citou as idades mínima e máxima para assumir o cargo e disse ser contra que ministros do STF possam ficar na cadeira por até 40 anos.

"Imagina, entra com 35 e sai com 75, para uma posição de critério do presidente da República e sabatina do Senado talvez não seja razoável permanecer por 40 anos em tese".

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Governo cancela regime de urgência do Projeto de Lei das Falências
Brasil

Governo cancela regime de urgência do Projeto de Lei das Falências

Há 5 horas

Caso Marielle: CCJ da Câmara vota prisão de Chiquinho Brazão nesta quarta-feira
Brasil

Caso Marielle: CCJ da Câmara vota prisão de Chiquinho Brazão nesta quarta-feira

Há 12 horas

Comissão do Senado aprova convite para ouvir Elon Musk por videoconferência
Brasil

Comissão do Senado aprova convite para ouvir Elon Musk por videoconferência

Há um dia

Governo sanciona nova lei que favorece réu em caso de empate nos julgamentos em matéria penal
Brasil

Governo sanciona nova lei que favorece réu em caso de empate nos julgamentos em matéria penal

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais