Acompanhe:

Os políticos investigados na Lava Jato que perderam o foro privilegiado

Ao todo, dois candidatos a governador, 11 senadores e 14 deputados agora terão seus casos enviados para a primeira instância do judiciário

Modo escuro

Continua após a publicidade
O senador Romero Jucá (Fabio Pozzebom/Agência Brasil)

O senador Romero Jucá (Fabio Pozzebom/Agência Brasil)

C
Clara Cerioni

Publicado em 13 de outubro de 2018 às, 08h00.

Última atualização em 13 de outubro de 2018 às, 18h40.

São Paulo — Na eleição deste ano, a alta renovação dos quadros políticos tirou do poder diversos nomes investigados na Operação Lava Jato que estavam protegidos pelo foro privilegiado.

Ao todo, dois candidatos a governador, 11 senadores e 14 deputados agora terão seus casos enviados para a primeira instância do judiciário. Com isso, as investigações retornarão do ponto em que pararam e eles podem ser condenados.

Na segunda-feira (8), após o pleito eleitoral, o procurador-geral da República Deltan Dallagnol, chefe das ações da Lava Jato e conhecido por sua campanha contra a corrupção, comemorou o resultado.

O procurador afirmou ainda que "toda essa mudança no Congresso aconteceu num cenário em que sociedade remou contra a correnteza, pois milhões do novo fundo eleitoral bilionário foram direcionados para campanhas da velha política. Parabéns aos brasileiros!"

Dentre os "graúdos" que Deltan cita estão caciques políticos como o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE) e os senadores Garibaldi Alves Filho (MDB-RN), Edison Lobão (MDB-MA), José Agripino Maia (DEM-RN) e Romero Jucá (MDB-RR) - da famosa frase sobre "estancar a sangria".

Também figuram na lista dos senadores que perderam o foro privilegiado: Benedito de Lira (PP-AL), Paulo Bauer (PSDB-SC), Raimundo Colombo (PSD-SC), Valdir Raupp (MDB-RO) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM).

Além dos senadores, dois candidatos para o cargo de governador Robson Faria (PSD-RN) e Fernando Pimentel (PT-MG) não conseguiram se eleger.

Dentre os deputados que poderão agora ser livremente investigados estão Alfredo Nascimento (PR-AM), Betinho Gomes (PSDB-PE), José Mentor (PT-SP), Lúcio Vieira Lima (MDB-BA), Marco Maia (PT-RS), Milton Monti (PR-SP), Yeda Crusius (PSDB-RS) e Zeca do PT (PT-MS).

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT-MG), que já estava em foro comum desde o impeachment e terminou a disputa pelo Senado no quarto lugar, aparece em duas denúncias, uma sobre organização criminosa para desviar recursos da Petrobras e outra de obstruir a Justiça no caso da nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a Casa Civil.

Políticos reeleitos

Outros alvos da Operação Lava Jato, como Gleisi Hoffman (PT-PR), Aécio Neves (PSDB-MG), Renan Calheiros (MDB-AL) e Rodrigo Maia (DEM-RJ) conseguiram a reeleição.

Por mais quatro anos, eles não sejam julgados pela justiça comum e sim pelos tribunais superiores, como o Supremo Tribunal Federal (STF), o Superior Tribunal de Justiça (STJ) ou os Tribunais de Justiça dos estados e do Distrito Federal (TJ).

Últimas Notícias

Ver mais
Volta do DPVAT: Senado pode votar projeto sobre seguro obrigatório para veículos na semana que vem
Brasil

Volta do DPVAT: Senado pode votar projeto sobre seguro obrigatório para veículos na semana que vem

Há 7 horas

Senado aprova isenção de IR para quem ganha até dois salários mínimos; veja o que muda
Economia

Senado aprova isenção de IR para quem ganha até dois salários mínimos; veja o que muda

Há um dia

O que diz a PEC das drogas aprovada pelo Senado e qual o impacto no julgamento do STF?
Brasil

O que diz a PEC das drogas aprovada pelo Senado e qual o impacto no julgamento do STF?

Há um dia

CCJ: relator acata sugestões da oposição para cota racial em concurso
Brasil

CCJ: relator acata sugestões da oposição para cota racial em concurso

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais