Acompanhe:

Obras das Olimpíadas podem tirar até 100 mil de suas casas

Estimativas do Instituto Igarapé incluem deslocamentos de pessoas entre 2009 e 2016

Modo escuro

Continua após a publicidade
Obras para as Olimpíadas Rio 2016 no Parque Olímpico (Renato Sette Camara/Prefeitura do Rio)

Obras para as Olimpíadas Rio 2016 no Parque Olímpico (Renato Sette Camara/Prefeitura do Rio)

R
Raphael Martins

Publicado em 30 de agosto de 2015 às, 11h23.

Última atualização em 3 de agosto de 2017 às, 15h13.

São Paulo – A pouco menos de um ano para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, as obras de infraestrutura para realização da competição correm contra o tempo. Com orçamento total na casa dos 38 bilhões de reais, o comitê estima que mais de 60% desse dinheiro será usado para projetos que servirão de legado para a cidade.

O número gera desconfiança tendo por base os constantes prejuízos aos cofres públicos dados pelos estádios da Copa do Mundo, que terminou há um ano.

Mais preocupante que a inutilização de futuras obras, no entanto, é o impacto na população. Entre 2009 e 2016, mais de 100 mil pessoas podem ser removidas de suas casas para dar lugar a estádios, arenas e obras de infraestrutura planejadas para o jogos, segundo estimativas do Instituto Igarapé.

“O país perdeu uma grande chance de aproveitar esse momento de estar sob os holofotes e como centro de investimentos para se desenvolver de forma mais planejada e celebrar de fato o potencial do país”, afirma Robert Muggah, diretor do Igarapé, que estuda o assunto desde 1999. “A ênfase em infraestrutura que pode ser deixada de lado, como estádios, foi colocada a frente de algo que será aproveitado por todos, como transportes.”

As considerações que levam à projeção estão no estudo “O deslocamento invisível: um conceito unificado dos deslocamentos no Brasil”, assinado por Muggah. Além de obras de infraestrutura, desastres naturais e violência são os principais fatores que podem tirar cerca de 1,6 milhão de pessoas de suas casas, de 2009 para cá.

O número coloca o Brasil em 16º lugar no ranking mundial de deslocados. Parece pouco se comparado aos 49 milhões de pessoas envolvidas em desapropriações da China, que lidera a lista. No entanto, é como se todos os moradores de Recife (PE) — a nona maior cidade do país — tivessem que deixar as suas casas .

Das obras em andamento, a usina de Belo Monte é a campeã em deslocados, com números estimados de 40 mil deslocados. Em desastres naturais, o líder recente são as enchentes no Pernambuco em 2010, com 80 mil desabrigados.

“Como o país tem dimensões continentais, os problemas ficam distantes a ponto de unir toda a sociedade, por maiores que sejam as usinas, projeto de plantio de soja ou mesmo ameaças violentas a um grupo de pessoas.”, diz. “Ainda não é um problema que tocou a sociedade urbana do país.”

Veja os gráficos das principais obras e desastres que tiraram pessoas de suas casas nos últimos anos.

Últimas Notícias

Ver mais
Olimpíadas 2024: onde assistir à cerimônia que inicia revezamento da tocha olímpica
Esporte

Olimpíadas 2024: onde assistir à cerimônia que inicia revezamento da tocha olímpica

Há 11 horas

Vale (VALE3) antecipa em 2 anos meta de 100% de consumo de energia renovável no Brasil
seloMercados

Vale (VALE3) antecipa em 2 anos meta de 100% de consumo de energia renovável no Brasil

Há 22 horas

Uso de energia exigido pela IA acende alerta vermelho
Tecnologia

Uso de energia exigido pela IA acende alerta vermelho

Há 22 horas

Campeonato Brasileiro terá outro nome após compra de naming rights, saiba mais
seloMarketing

Campeonato Brasileiro terá outro nome após compra de naming rights, saiba mais

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais