Brasil

O que é e como funciona a Abin, na mira de operação da PF

Filho de ex-presidente, Carlos Bolsonaro, é suspeito de ter recebido informações obtidas ilegalmente; entenda como funciona a agência de inteligência

 (Antonio Cruz/Agência Brasil)

(Antonio Cruz/Agência Brasil)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 29 de janeiro de 2024 às 11h18.

Última atualização em 29 de janeiro de 2024 às 11h18.

Responsável pelo programa espião cujo uso é investigado pela Polícia Federal, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) foi fundada em 1999 e tem como função fornecer informações confiáveis à Presidência da República, que são enviadas por meio de informes ao Palácio do Planalto.

Nesta segunda-feira, dia 29, o vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro foi alvo de uma operação deflagrada pela Polícia Federal para apurar indícios de um esquema de espionagem ilegal na (Abin) durante o governo de Jair Bolsonaro. O filho do ex-presidente é suspeito de ter sido um dos destinatários das informações levantadas de forma clandestina. O caso foi revelado pelo jornal O GLOBO em março do ano passado.

O que é a Abin?

Como órgão central do Sistema Brasileiro de Inteligência (Sisbin), a principal atribuição da Agência é fornecer dados e análises estratégicas sobre ameaças ao Estado Democrático de Direito e à soberania nacional.

O órgão não é responsável pela condução de investigações criminais. Desse modo, o papel da Abin se limita ao fornecimento de informações, apuração de contextos e possíveis ameaças dentro e fora do território nacional.

Abin paralela: entenda como é o programa que monitorou celulares no governo Bolsonaro e tornou Carlos alvo da PF

Em março deste ano o órgão saiu das mãos do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e foi transferido para a Casa Civil, ficando agora sob o comando direto da Presidência da República.

O que é 'Abin paralela'?

O programa comprado pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin) para monitorar a localização de alvos pré-determinados se baseia em dois sistemas que fazem parte da arquitetura da rede de telecomunicações do país.

Conforme O GLOBO revelou em março do ano passado, os dados são coletados por meio da troca de informações entre os celulares e antenas para conseguir identificar o último local conhecido da pessoa que porta o aparelho. O sistema foi utilizado durante a gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), quando o diretor da agência era Alexandre Ramagem, que atualmente é deputado federal (PL-RJ).

Por que Carlos Bolsonaro se tornou alvo de operação da PF?

Carlos Bolsonaro é suspeito de ter sido um dos destinatários das informações levantadas de forma clandestina.

Acompanhe tudo sobre:JustiçaPolícia FederalPrisões

Mais de Brasil

Governo vai pedir votação de 'taxa das blusinhas' no Senado, diz líder

Lula visitará cidades arrasadas pela chuva no Vale do Taquari, no Rio Grande do Sul

Mais na Exame