Brasil

Nível do Guaíba fica abaixo da cota de inundação pela 1ª vez em um mês

Com o recuo, muitas pessoas retornam a seus lares e comércios

Rio Guaíba, usina do gasômetro, em Porto Alegre, no início do mês após chuva intensa (Gilvan Rocha/Agência Brasil)

Rio Guaíba, usina do gasômetro, em Porto Alegre, no início do mês após chuva intensa (Gilvan Rocha/Agência Brasil)

Agência Brasil
Agência Brasil

Agência de notícias

Publicado em 1 de junho de 2024 às 11h28.

O nível do Rio Guaíba, em Porto Alegre, ficou neste sábado, 1º, abaixo da cota de inundação pela primeira vez em um mês. O rio atingiu a marca de 3,58 metros às 5h, dois centímetros a menos que o patamar de transbordamento (3,6 metros).

O nível do Rio vem sendo monitorado em tempo real, com o auxílio de lasers, na régua instalada na Usina do Gasômetro, em Porto Alegre. Os dados são compilados e divulgados pela Agência Nacional de Águas (ANA), a partir do trabalho de campo da Rede Hidrometeorológica Nacional e do Instituto de Pesquisas Hidráulicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

O Guaíba não ficava abaixo da cota de inundação desde as 23h de 2 de maio, quando subiu a 3,67 metros. Com o recuo do rio, muitas pessoas retornam a seus lares e comércios pela primeira vez em mais de 25 dias em bairros como Humaitá, onde fica o pátio do metrô, e na Vila Farrapos, onde há muitas residências.

Na última terça-feira, 28, o governo do Rio Grande do Sul alterou a cota de inundação de 3 metros para 3,6 metros. A mudança foi adotada para refletir as medições feitas em uma nova régua instalada mais ao sul do Cais Mauá, onde o nível era registrado até o início de maio.

Na prática, a mudança no nível da cota de inundação não altera a medição da máxima do Guaíba, que chegou a 5,35 metros em 5 de maio, maior marca da história. Isso porque quando o nível do rio está a 3,6 metros no Gasômetro, ele se encontra a 3 metros no Cais Mauá.

As enchentes no RS

As fortes chuvas que atingiram o estado começaram a cair em 27 de abril, tendo avançado na direção norte por mais de uma semana. O mau tempo deixou um rastro de enxurradas e inundações, com mortes e destruição ao longo de rios como Taquari, Sinos, Caí, Gravataí, Pardo e Jacuí. Um imenso volume d´água depois desembocou no Guaíba.

O transbordamento do Guaíba inundou diversos bairros da capital gaúcha, provocando mortes e destruindo os bens de milhares de famílias. A infraestrutura do estado também ficou fortemente comprometida, com dezenas de deslizamentos e pontes arrastadas, o que deixou milhares de famílias ilhadas. Até o momento, foram mais de 77 mil resgates.

De acordo com as informações mais recentes da Defesa Civil gaúcha, até momento foram registrados 171 mortos, 806 feridos, enquanto 43 pessoas seguem desaparecidas. Mais de 2,3 milhões de pessoas foram afetadas. No auge das cheias, cerca de 630 mil tiveram que deixar suas casas. Há ainda 39 mil pessoas em abrigos temporários.

Acompanhe tudo sobre:Porto AlegreRio Grande do SulEnchentes no RS

Mais de Brasil

Brasil caminha para ser a sexta economia do mundo até fim do mandato, diz Lula

PF indicia Juscelino Filho, ministro das Comunicações, em caso de suposto desvio de emendas

USP fica atrás de universidades do México em ranking de sustentabilidade

Câmara aprova urgência para votar mudança no regimento para suspender quem brigar em comissões

Mais na Exame