Brasil

Negros pediram mais auxílio emergencial, mas brancos tiveram maior sucesso

Dado é de estudo mais amplo divulgado nesta quarta pelo Instituto Locomotiva, sobre como o racismo está arraigado no Brasil

Brasileiros aguardam em fila para receber segunda parcela do auxilio emergencial do governo durante a pandemia do novo coronavírus.  (Bruna Prado/Getty Images)

Brasileiros aguardam em fila para receber segunda parcela do auxilio emergencial do governo durante a pandemia do novo coronavírus. (Bruna Prado/Getty Images)

Ligia Tuon

Ligia Tuon

Publicado em 17 de junho de 2020 às 12h24.

Última atualização em 17 de junho de 2020 às 15h16.

A maioria dos que solicitaram ao governo o auxílio emergencial de 600 reais, anunciado à população mais vulnerável em meio à pandemia do coronavírus, é formada de pessoas negras. Entre os contemplados até agora, no entanto, a taxa de sucesso dos não negros é melhor.

Levantamento feito pelo Instituto Locomotiva mostra que, entre os negros que pediram o auxílio, 74% tiveram o pedido liberado. Essa taxa foi de 81% entre os não negros que fizeram a solicitação. Do grupo total de candidatos ao benefício temporário, 43% eram negros e 37% não negros.

A informação é de um estudo mais amplo divulgado nesta quarta-feira, 17, pelo instituto e que mostra como o racismo está arraigado no Brasil, onde negros ocupam mais posições precárias e com menor renda, mas são menos beneficiados.

"7% ainda acham que não existe racismo no país. Precisamos continuar incentivando e falando sobre a importância de cada vez mais os pretos estarem nos espaços de poder”, diz Celso Athayde, fundador da Central Única das Favelas (Cufa) e do Data Favela.

A pesquisa também deixa mais claro de que forma a população negra sentiu mais os efeitos econômicos do coronavírus, especialmente quanto à diminuição da renda e não pagamento de contas: 73% dos que afirmam terem tido diminuição da renda famíliar, 73% negros e 60% não negros. Dos que deixaram de pagar contas, o número é 49% ante 32%, respectivamente.

“A diferença salarial é muito grande. O que impacta na economia, já que os negros perdem poder de consumo. É importante que o mercado olhe para essa pesquisa, e comece a se diversificar”, diz Renato Meirelles, presidente do Instituto Locomotiva e fundador do Data Favela

Trabalhadores não negros ganham em média 76% a mais que os negros, mostra o estudo. A média do salário também é bem discrepante: R$ 1.764 contra R$ 3.100.

Mesmo assim, dos pequenos empresários que estão tendo de manter seu negócio fechado durante a pandemia, a maioria é formada de negros: 38% ante 35% de não negros.

A população negra consome R$ 1,9 trilhão por ano, o que representa 40% do total do consumo brasileiro, de acordo com a Locomotiva. No país, 56% se declaram negros (pretos ou pardos) ou 118,9 milhões de pessoas.

A pesquisa foi feita entre os dias 4 e 5 de junho, por meio de um questionário que coletou 1.459 entrevistas, de 72 cidades de todos os estados do país.

 

 

Acompanhe tudo sobre:Auxílio emergencialCoronavírusNegrosRacismo

Mais de Brasil

Governo sanciona lei que prevê plano de combate à violência contra mulher

PL do aborto: Conselho Federal da OAB aprova parecer que avalia texto como inconstitucional

Em SP, operação da Polícia Civil despeja projeto social na Cracolândia

PF recupera gravuras raras roubadas há 16 anos da Biblioteca Mário de Andrade, em SP

Mais na Exame