Negros pediram mais auxílio emergencial, mas brancos tiveram maior sucesso

Dado é de estudo mais amplo divulgado nesta quarta pelo Instituto Locomotiva, sobre como o racismo está arraigado no Brasil

A maioria dos que solicitaram ao governo o auxílio emergencial de 600 reais, anunciado à população mais vulnerável em meio à pandemia do coronavírus, é formada de pessoas negras. Entre os contemplados até agora, no entanto, a taxa de sucesso dos não negros é melhor.

Levantamento feito pelo Instituto Locomotiva mostra que, entre os negros que pediram o auxílio, 74% tiveram o pedido liberado. Essa taxa foi de 81% entre os não negros que fizeram a solicitação. Do grupo total de candidatos ao benefício temporário, 43% eram negros e 37% não negros.

A informação é de um estudo mais amplo divulgado nesta quarta-feira, 17, pelo instituto e que mostra como o racismo está arraigado no Brasil, onde negros ocupam mais posições precárias e com menor renda, mas são menos beneficiados.

"7% ainda acham que não existe racismo no país. Precisamos continuar incentivando e falando sobre a importância de cada vez mais os pretos estarem nos espaços de poder”, diz Celso Athayde, fundador da Central Única das Favelas (Cufa) e do Data Favela.

A pesquisa também deixa mais claro de que forma a população negra sentiu mais os efeitos econômicos do coronavírus, especialmente quanto à diminuição da renda e não pagamento de contas: 73% dos que afirmam terem tido diminuição da renda famíliar, 73% negros e 60% não negros. Dos que deixaram de pagar contas, o número é 49% ante 32%, respectivamente.

“A diferença salarial é muito grande. O que impacta na economia, já que os negros perdem poder de consumo. É importante que o mercado olhe para essa pesquisa, e comece a se diversificar”, diz Renato Meirelles, presidente do Instituto Locomotiva e fundador do Data Favela

Trabalhadores não negros ganham em média 76% a mais que os negros, mostra o estudo. A média do salário também é bem discrepante: R$ 1.764 contra R$ 3.100.

Mesmo assim, dos pequenos empresários que estão tendo de manter seu negócio fechado durante a pandemia, a maioria é formada de negros: 38% ante 35% de não negros.

A população negra consome R$ 1,9 trilhão por ano, o que representa 40% do total do consumo brasileiro, de acordo com a Locomotiva. No país, 56% se declaram negros (pretos ou pardos) ou 118,9 milhões de pessoas.

A pesquisa foi feita entre os dias 4 e 5 de junho, por meio de um questionário que coletou 1.459 entrevistas, de 72 cidades de todos os estados do país.

 

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.