Brasil

'Não esperamos que seja votada dessa forma', diz Gilmar sobre PEC que fixa mandato no STF

Ministro também minimizou outras sinalizações recentes feitas por Rodrigo Pacheco sobre alterações nos trabalhos do Supremo

Gilmar Mendes: ministro do STF (Nelson Jr./SCO/STF/Divulgação)

Gilmar Mendes: ministro do STF (Nelson Jr./SCO/STF/Divulgação)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 7 de fevereiro de 2024 às 14h07.

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, sinalizou rejeição da Corte à proposta de emenda à Constituição (PEC) promovida pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), que cria um mandato fixo para integrantes do STF.

"Nós não esperamos que seja votada uma matéria dessa forma ou que isso mereça uma discussão muito mais refletiva. Vamos conversar", diz Gilmar. "Nosso relacionamento sempre foi muito sobranceiro, muito tranquilo. Vai continuar assim."

Em discurso no reinício das atividades do Congresso, Pacheco voltou a falar da iniciativa como uma de suas prioridades como presidente do Senado. "Também combateremos privilégios e discutiremos temas muito relevantes, como decisões judiciais monocráticas, mandatos de Ministros do Supremo Tribunal Federal e reestruturação de carreiras jurídicas, considerando as especificidades e a dedicação exclusiva inerentes ao Poder Judiciário", afirmou.

Gilmar minimiza outras sinalizações recentes feitas por Pacheco sobre alterações nos trabalhos do Supremo. "Temos dialogado e nunca fugimos ao diálogo. Vamos prosseguir nessa mesma toada. Sempre surge, diante de casos específicos, uma reação ou outra. Isso é normal", afirma.

No final do ano passado, o Senado aprovou uma PEC que limita as decisões democráticas monocráticas de ministros do STF. Pacheco disse, em novembro de 2023 que a proposta "não era uma resposta" e nem uma "afronta" à Suprema Corte.

Gilmar é um crítico da proposta e já disse no passado interpretar como um texto "inconstitucional". Ele reforçou as críticas hoje. "A gente já viu em muitos casos isso afeta e impede decisões que certamente acabarão sendo tomadas e discutidas. Esse é um debate que temos que aprofundar, ter muito cuidado", diz Gilmar.

O ministro veio à Câmara dos Deputados nesta quarta-feira, 7, para receber a medalha do mérito legislativo, oferecido pela Casa. Ele, Alexandre de Moraes e André Mendonça foram os ministros do STF eleitos para receber a honraria.

Entre os agraciados firam políticos como Romeu Zema, governador de Minas Gerais, advogados e demais profissionais do Judiciário, como Carol Proner, e o jogador do Real Madrid Vinícius Jr.

Duas pessoas mortas receberam o prêmio neste ano. Mãe Bernardete líder do quilombo Pitanga dos Palmares, em Salvador, assassinada por 12 tiros em agosto de 2023, em sua própria residência.

Manoel Alves da Silva Júnior, deputado federal entre 2007 e 2016 morto em fevereiro de 2023, vítima de um câncer no pâncreas.

Acompanhe tudo sobre:Supremo Tribunal Federal (STF)Gilmar Mendes

Mais de Brasil

TSE rejeita recursos e Sérgio Moro mantém mandato como senador

Moraes diz que não há nenhuma previsão de adiamento das eleições no Rio Grande do Sul

Motoristas de aplicativo estão trabalhando mais horas e ganhando menos, conclui estudo do Ipea

Senado aprova Programa Nacional de Vacinação em Escolas Públicas

Mais na Exame