Acompanhe:

Moro mantém prisão de ex-presidente da Eletronuclear

O juiz federal Sergio Moro manteve a prisão de Othon Luiz Pinheiro da Silva, detido desde o dia 28 de junho

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Sérgio Moro, juiz federal responsável pela Operação Lava jato
 (Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil)

Sérgio Moro, juiz federal responsável pela Operação Lava jato (Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil)

D
Da Redação

Publicado em 6 de agosto de 2015 às, 20h13.

O juiz federal Sergio Moro manteve hoje (6) a prisão do ex-presidente da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva. Ele está detido desde o dia 28 de junho em Curitiba, por causa das investigações da 16ª fase da Operação Lava Jato. 

Na mesma decisão, Moro decretou a prisão preventiva de Flávio David Barra,  ex-executivo da Andrade Gutierrez.

Othon Luiz e Flávio David foram presos terça-feira (28), durante a Operação Radioatividade, 16ª fase da Operação Lava Jato. De acordo com o juiz, a manutenção da prisão é necessária para evitar “concertação fraudulenta de versões" entre os investigados e prevenir fraudes documentais.

A 16ª fase da Lava Jato foi desencadeada a partir do depoimento do executivo da Camargo Corrêa Dalton Avancini, que assinou acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF).

Na delação, ele revelou a existência de cartel nas contratações de obras da Usina Nuclear Angra 3 e citou Othon Luiz Silva como beneficiário de propinas.

De acordo com o MPF e a Polícia Federal, o presidente licenciado da Eletronuclear recebeu cerca de R$ 4,5 milhões de propina do consórcio vencedor das obras da usina.

Em depoimento prestado no dia 30 de julho à Polícia Federal, Othon Luiz Pinheiro negou ter recebido propina do consórcio vencedor da licitação para construção da Usina Nuclear Angra 3.

Aos delegados da PF, ele afirmou que nunca exigiu ou recebeu vantagem financeira e não recebeu orientação do governo federal e de partidos para cobrar doações financeiras das empreiteiras.

Na decisão, o juiz também justificou que a prisão é necessária para esclarecer afirmação do Ministério Público de que a filha de Othon e representante da empresa Aratec abriu uma conta secreta em Luxemburgo.

“Esses documentos, revelados pelo MPF, indicam que Othon Luiz mantém contas secretas no exterior e que podem ter sido utilizadas para recebimento de propina, ocultação e dissimulação do produto do crime, sendo de se destacar que uma delas foi aberta ainda no segundo semestre de 2012”, acrescentou Sérgio Moro.

Aos delegados federais, Othon explicou que os pagamentos recebidos pela Aratec, por meio da Eletronuclear, e citados pela acusação, ocorreram antes da assinatura do contrato com o consórcio de Angra 3.

Segundo ele, os valores referem-se a serviços de tradução prestados por sua filha. À PF, ele afirmou que, após ingressar na estatal, passou o comando da empresa para sua filha.

Últimas Notícias

Ver mais
Troca de comando e Projeto Cerrado em ação: a nova fase da Suzano pós-Schalka
Exame IN

Troca de comando e Projeto Cerrado em ação: a nova fase da Suzano pós-Schalka

Há 12 horas

Com 4º tri "de ouro", lucro da C&A dobra e bate (com folga) previsão do mercado 
Exame IN

Com 4º tri "de ouro", lucro da C&A dobra e bate (com folga) previsão do mercado 

Há 14 horas

Fuga em Mossoró: buscas chegam a duas semanas com pistas de eles estariam nas vizinhanças da cadeia
Brasil

Fuga em Mossoró: buscas chegam a duas semanas com pistas de eles estariam nas vizinhanças da cadeia

Há um dia

Porto tem trimestre acima do consenso; Kakinoff quer manter ritmo de crescimento
Exame IN

Porto tem trimestre acima do consenso; Kakinoff quer manter ritmo de crescimento

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais