Acompanhe:

Moraes não vê ilegalidade em rejeitar pedidos de impeachment

O ministro do STF rejeitou a ação proposta por parlamentares da oposição e pela OAB que queriam destravar o andamento dos pedidos de impeachment Temer

Modo escuro

Continua após a publicidade
Alexandre de Moraes: para o ministro, o engavetamento dos pedidos não seria motivo de o Supremo intervir (REUTERS/Ueslei Marcelino/Reuters)

Alexandre de Moraes: para o ministro, o engavetamento dos pedidos não seria motivo de o Supremo intervir (REUTERS/Ueslei Marcelino/Reuters)

B
Breno Pires e Rafael Moraes Moura, do Estadão Conteúdo

Publicado em 23 de agosto de 2017 às, 20h29.

Brasília - Nas decisões em que rejeitou a ação proposta por parlamentares da oposição que queriam destravar o andamento dos pedidos de impeachment contra o presidente Michel Temer (PMDB), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes afirmou, como justificativa, que não cabe ao Judiciário analisar se é legal ou não um ato praticado na Câmara dos Deputados, quando o assunto diz respeito à interpretação de norma regimental.

Segundo Moraes, que foi ministro da Justiça no governo Temer até fevereiro, é "vedado ao Poder Judiciário, substituindo-se ao próprio Legislativo, dizer qual o verdadeiro significado da previsão regimental, por tratar-se de assunto interna corporis, sob pena de ostensivo desrespeito à Separação de Poderes, por intromissão política do Judiciário no Legislativo".

Ao rejeitar duas ações propostas por dois grupos de deputados federais, Moraes afirmou, também, não há o direito líquido e certo que os autores das ações alegam.

"Não sendo possível juridicamente o controle jurisdicional pleiteado sobre a interpretação das normas regimentais, inexistente qualquer comprovação de ilegalidade e, consequentemente, incabível o mandado de segurança, pois inexistente o direito líquido e certo alegado pelo impetrante", assinalou o ministro.

Sob o ponto de vista do ministro, mesmo o engavetamento dos pedidos não seria motivo de o Supremo intervir. Além destas duas ações, ele rejeitou uma outra ação proposta pelo presidente da OAB, Claudio Lamachia.

Alexandre de Moraes afirmou que "é patente a inviabilidade do presente mandado de segurança, ante a ilegitimidade ativa do presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil".

Últimas Notícias

Ver mais
PF indicia Carla Zambelli e hacker da Lava Jato por invasão ao sistema do CNJ
Brasil

PF indicia Carla Zambelli e hacker da Lava Jato por invasão ao sistema do CNJ

Há um dia

PL da reoneração da folha enviado pelo governo entra no sistema da Câmara
Brasil

PL da reoneração da folha enviado pelo governo entra no sistema da Câmara

Há 2 dias

Câmara aprova tarifa social com novos descontos em água e esgoto para baixa renda
Brasil

Câmara aprova tarifa social com novos descontos em água e esgoto para baixa renda

Há 2 dias

TSE determina que plataformas removam conteúdo eleitoral 'sabidamente inverídico'
Brasil

TSE determina que plataformas removam conteúdo eleitoral 'sabidamente inverídico'

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais