Brasil

Moraes diz que não há nenhuma previsão de adiamento das eleições no Rio Grande do Sul

Possibilidade de adiar as eleições diante do cenário de calamidade vem sendo discutida. Governador Eduardo Leite defende debate

Enchentes no RS: Conforme o ministro, no entanto, não houve qualquer dano à estrutura do TRE (Carlos Moura/SCO/STF/Flickr)

Enchentes no RS: Conforme o ministro, no entanto, não houve qualquer dano à estrutura do TRE (Carlos Moura/SCO/STF/Flickr)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 21 de maio de 2024 às 21h42.

Tudo sobreAlexandre de Moraes
Saiba mais

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes, afirmou nesta terça-feira que não há nenhuma previsão de adiamento das eleições municipais neste ano no Rio Grande do Sul.

Diante do cenário de calamidade vivido no estado após intensas chuvas, a questão vem sendo discutida. Conforme o ministro, no entanto, não houve qualquer dano à estrutura do Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

"Não há nenhuma previsão, nenhuma discussão de qualquer adiamento das eleições no Rio Grande do Sul. Estamos em maio, todas as providências estão sendo tomadas para, se não o retorno total, mas que haja o retorno mínimo da rotina. Não houve, até o momento, nenhum dano estrutural no Tribunal Regional Eleitoral ou nos juízos eleitorais que impeça a realização das eleições no Rio Grande do Sul. Vamos contabilizar as urnas que sofreram avarias, temos as urnas em depósito e temos todas as condições para garantir a realização das eleições", disse Moraes.

Adiamento das eleições em discussão

Em entrevista ao GLOBO, o governador Eduardo Leite (PSDB) defendeu que a possibilidade de adiamento das eleições fosse discutida.

Na ocasião, ele afirmou que ainda é cedo, mas que não é possível “retardar muito essa discussão”.

"Junho já é um momento pré-eleitoral e em julho se estabelecem as convenções. É um debate pertinente. O Estado estará em reconstrução, ainda em momentos incipientes, em que trocas de governos municipais podem atrapalhar esse processo. O próprio debate eleitoral pode acabar dificultando a recuperação", afirmou.

O TSE já afirmou que possui urnas eletrônicas em número considerado suficiente para atender aos municípios que foram atingidos pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

A Justiça Eleitoral tem cerca de 570 mil urnas eletrônicas armazenadas nos TREs e no TSE. Há aproximadamente 4,4 mil locais de armazenamento distribuídos nas 26 unidades da Federação e no Distrito Federal.

Acompanhe tudo sobre:Alexandre de MoraesTSEEduardo LeiteRio Grande do SulEnchentes no RS

Mais de Brasil

Caso Marielle: Moraes determina que Lessa continue sendo monitorado em Tremembé

Até quando vai o calor em SP? Veja a previsão do clima para os próximos dias

Comissão da Câmara aprova licença-maternidade de 180 dias para policiais militares e bombeiras

Motor de maior avião de passageiros do mundo tem falha em decolagem em São Paulo

Mais na Exame