Acompanhe:

Mais da metade dos candidatos alvo da Lava Jato não consegue se eleger

Entre os mais famosos estão o ex-líder do governo no Senado Romero Jucá e o ex-governador do Paraná Beto Richa

Modo escuro

Continua após a publicidade
A maior parte dos alvos da Operação Lava Jato que tentaram um novo mandato nas eleições deste domingo, 7, fracassaram (Paulo Whitaker/Reuters)

A maior parte dos alvos da Operação Lava Jato que tentaram um novo mandato nas eleições deste domingo, 7, fracassaram (Paulo Whitaker/Reuters)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 8 de outubro de 2018 às, 12h20.

Última atualização em 8 de outubro de 2018 às, 12h21.

A maior parte dos alvos da Operação Lava Jato que tentaram um novo mandato nas eleições deste domingo, 7, fracassaram. Dos 77 nomes que ainda respondem a alguma investigação e se candidatam, 40 não tiveram sucesso. Entre os mais famosos estão o ex-líder do governo no Senado Romero Jucá (MDB-RR) e o ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB), que chegou a ser preso durante a campanha.

Outros nomes de destaque na política, como o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), e o vice, Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), também ficaram de fora.

Um dos casos mais emblemáticos é o de Richa, ex-governador do Paraná, preso durante a campanha para o Senado. Ele era favorito a uma das vagas pelo Estado e acabou ficando de fora, na sexta posição, com 377,8 mil votos. A presidente cassada Dilma Rousseff (PT), que tentou se eleger para o Senado por Minas Gerais, também caiu nas intenções de voto durante a campanha e terminou a corrida em quarto lugar, com 2,7 milhões de votos.

O senador Romero Jucá (MDB-RR), que tem mandato na Casa desde 1994, também não conseguiu se reeleger e ficou de fora por apenas 426 votos. Ministro do Planejamento de Michel Temer por 12 dias, ele deixou a pasta após a divulgação de áudios que sugeriam uma obstrução da Operação Lava Jato. Ele é réu pelos crimes de corrupção passiva e lavagem dinheiro no Supremo Tribunal Federal.

Eleitos

Por outro lado, apesar da imagem arranhada com a citação de seus nomes em delações e suspeitas sobre envolvimento em escândalos de corrupção, 33 investigados na operação foram eleitos. São 25 deputados federais, um estadual, cinco senadores e dois governadores. Além deles, três candidatos a governador (Antônio Anastasia, do PSDB-MG; Eduardo Paes, do DEM-RJ; e Helder Barbalho, do MDB-PA), além do presidenciável Fernando Haddad (PT), todos investigados, disputarão o segundo turno.

Entre os eleitos está o senador Aécio Neves (PSDB), investigado por suspeita de propina da Odebrecht, que se candidatou a deputado federal por Minas Gerais. Ele recebeu mais de 106 mil votos. Presidente nacional do PT, a senadora Gleisi Hoffmann, também citada na delação da Odebrecht e candidata à Câmara, foi a terceira mais votada do Paraná, com mais de 212 mil votos. Ciro Nogueira (PP-PI), Renan Calheiros (MDB-AL) e Jader Barbalho (MDB-PA), também conseguiram a reeleição.

Últimas Notícias

Ver mais
Bolsonaro defende anistia para presos de 8 de janeiro e minimiza acusações de golpe
Brasil

Bolsonaro defende anistia para presos de 8 de janeiro e minimiza acusações de golpe

Há 9 horas

Apoiadores de Bolsonaro se reúnem em ato na Av. Paulista
Brasil

Apoiadores de Bolsonaro se reúnem em ato na Av. Paulista

Há 11 horas

Antes de ato na Paulista, petistas lembram 8/1 e dizem que Bolsonaro 'cometeu muitos crimes'
Brasil

Antes de ato na Paulista, petistas lembram 8/1 e dizem que Bolsonaro 'cometeu muitos crimes'

Há 12 horas

Apoiadores de Bolsonaro fazem ato com pedido de impeachment de Lula e bandeira de Israel
Brasil

Apoiadores de Bolsonaro fazem ato com pedido de impeachment de Lula e bandeira de Israel

Há 12 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais